Quinta, 22 de Fevereiro de 2018

GOVERNO

Ciro Gomes diz que prefere Saúde a reassumir Integração Nacional

14 DEZ 2010Por folha online08h:05

O deputado Ciro Gomes (PSB-CE) fez chegar à equipe de transição que preferiria assumir o Ministério da Saúde a voltar à pasta da Integração Nacional, para a qual foi convidado pela presidente eleita, Dilma Rousseff.

Ciro já foi convidado para a Saúde por Itamar Franco, em 1994, e recusou. Ele está em viagem ao exterior e deve retornar ao país hoje.

Mas Dilma demonstra não estar inclinada a atender o pedido de Ciro, já que tende a reservar a Saúde para um nome técnico ou ligado ao PT.

Por isso não está descartada a possibilidade, alimentada pela equipe de transição, de promover o seguinte cenário: Fernando Bezerra, ligado ao governador Eduardo Campos (PE), acabaria ficando com a Integração Nacional, como previa o desenho original, e Ciro iria para a Secretaria de Portos e Aeroportos.

Dilma, que está em Porto Alegre para comemorar seu aniversário --ela faz 63 anos hoje--, espera definir até amanhã a situação de Ciro. Além do PSB, ela precisa acertar o espaço de outros aliados, como PDT e PC do B.

O PT de Minas Gerais indicou o ministro Luiz Dulci, hoje na Secretaria-Geral da Presidência, para ocupar o Ministério da Cultura.

Seu o nome entrou nas recentes cotações para a pasta, apesar de ele já ter avisado a integrantes da equipe de transição que não quer ficar no primeiro escalão.

Dulci havia acertado sua ida para o instituto que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai criar após deixar o Planalto. Ele está no governo Lula desde o primeiro dia.

Segundo a Folha apurou, a sugestão pode ganhar força porque casa com a intenção de Dilma de acomodar outro nome do PT mineiro além de Fernando Pimentel, escolhido para o Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior.

Isso acalmaria parte da bancada do PT na Câmara, insatisfeita com a partilha.

A alternativa também satisfaz o ex-ministro Patrus Ananias, adversário político de Pimentel no Estado.

Atual titular do Ministério da Cultura, Juca Ferreira faz lobby para continuar na vaga. Outras duas candidatas já apareceram na lista de nomes cotados e ainda não foram descartadas.

Ana de Hollanda, artista e irmã de Chico Buarque, teve o seu nome indicado pelo PT do Rio. Já a historiadora Heloísa Starling foi apresentada anteriormente por Patrus e pelo próprio Dulci.

Alguns membros do partido avaliam que Starling, egressa do meio acadêmico, não teria perfil político.

Para o Ministério de Desenvolvimento Agrário, Dilma oficializou o convite à secretária de Planejamento de Sergipe, Maria Lúcia de Oliveira Falcón. Ela tem o apoio dos governadores petistas de Sergipe, Marcelo Deda, e da Bahia, Jaques Wagner.

A mudança de mãos da pasta desagradou a DS (Democracia Socialista), corrente do PT que historicamente comanda a pasta.

Para compensar a perda, Dilma pode dar à corrente a Secretaria das Mulheres.

A deputada Iriny Lopes (PT-ES) era o principal nome para a vaga, mas sua corrente dentro do partido--Articulação de Esquerda-- afirmou que não tem interesse no posto.

Leia Também