Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 10 de dezembro de 2018

cultura

Cine Belas Artes faz hoje suas últimas sessões

17 MAR 2011Por ESTADÃO19h:13

Com programação especial batizada de "A Última Sessão do Cinema", uma referência ao filme de Peter Bogdanovich de 1971, o Belas Artes fecha as portas hoje, após 59 anos na esquina da Avenida Paulista com a Rua da Consolação. Depois, o imóvel permanecerá vazio por tempo indeterminado.

O dono do prédio, Flávio Maluf, recusou proposta milionária dos sócios do cinema, que ofereceram pagamento de aluguel anual acima de R$ 1 milhão. Maluf garante que não vai alugar o prédio enquanto o Conselho Municipal de Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental de São Paulo (Conpresp) não se definir sobre o tombamento. Mesmo que um novo locatário tente alugar o ponto, não poderá fazer nenhuma reforma no imóvel, enquanto não sair a decisão do conselho municipal.

A bilheteria do Belas Artes começou a vender às 16h de ontem os 1.017 ingressos para a programação especial. A procura foi tímida - até às 19 horas, apenas 57 tíquetes haviam sido vendidos.

Tombamento. Amanhã, os donos do Belas Artes começam a esvaziar as dependências do cinema, que deve ser entregue ao proprietário no começo da semana. Caso o Conpresp decida pelo tombamento, o sócio do Belas Artes, André Sturm, afirma que tem plenas condições de retomar as atividades no ponto.

Ao longo dos últimos 20 dias, Sturm conseguiu angariar apoio de três grandes empresas dispostas a patrocinar o Belas Artes. Isso permitiu que ele fizesse uma oferta de aluguel acima de R$ 85 mil mensais, com garantia de pagamento por cinco anos (tempo do contrato) e correção anual. "Fizemos o que era possível. Mesmo assim, o dono recusou a oferta. O que nos resta agora é esperar a decisão sobre o tombamento", diz Sturm.

Não existe um prazo definido para que o Conpresp decida sobre o futuro do imóvel. O Departamento de Patrimônio Histórico (DPH) do Município recebeu prazo de 90 dias para fazer um parecer técnico a respeito do tombamento. Esse relatório serve de suporte para a votação dos conselheiros do Conpresp.

Tanto o prazo do relatório quanto a decisão do conselho municipal, contudo, podem arrastar-se por tempo indeterminado, já que os envolvidos no debate têm permissão legal para pedir mais tempo, antes de tomarem alguma decisão. O arquiteto Nabil Bonduki, da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP, acredita que existe brecha para o tombamento imaterial do cinema. "O tombamento não se restringe ao espaço físico e hoje é cada vez mais comum tombamento de características imateriais", diz.

PROGRAMAÇÃO

Sala 1 (Villa-Lobos)
La Dolce Vita - 21h

Sala 2 (Candido Portinari) No Tempo do Onça - 21h30

Sala 3 (Oscar Niemeyer)
O Leopardo - 20h30

Sala 4 (Aleijadinho)
O Joelho de Claire - 21h30

Sala 5 (Carmen Miranda)
O Águia - 21h20

Sala 6 (Mario de Andrade)
Queimada! - 20h20

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também