Sexta, 23 de Fevereiro de 2018

Caso Mayanna

Cinco testemunhas foram ouvidas pela manhã pelo Caso Mayana

10 FEV 2011Por vivianne nunes e maria mateus10h:22

Em uma audiência rápida ocorrida na manhã de hoje na 2ª Vara do Tribunal do Juri Campo Grande (MS), cinco testemunhas de acusação foram ouvidas no processo que ficou conhecido como Caso Mayana. O fato é considerado de grande comoção social pelo acidente que tirou a vida da jovem Mayana de Almeida em junho do ano passado. Dois jovens são acusados de participarem de um 'racha' que causou a colisão. As testemunhas ouvidas hoje são dois porteiros de um edifício em frente ao local do acidente, um segurança e dois amigos de Mayana.

Os porteiros confirmaram ao magistrado que julga o caso, Aloísio Pereira dos Santos, que viram os veículos em alta velocidade. Para o juiz, os depoimentos confirmaram fatos que a polícia apurou até o momento mas ainda existem provas da defesa que não foram apresentadas.

No período da tarde, nove testemunhas serão ouvidas, alguns são policiais que estiveram no local do acidente e fizeram a perícia.

Comoção

Chorando muito, a tia da Jovem, Marinez Sandin, acompanhou a audiência durante a manhã. Ela defende a condenação dos responsáveis pelo acidente não como vingança ou punição, mas para que a Justiça seja Feita. “Isso dever servir de exemplo e alerta para que não volte a acontecer com outros jovens”, afirmou.

Anderson de Souza Moreno, 19 anos e Willian Jhony de Souza Ferreira, 25 anos, eram os condutores dos veículos Vectra e Fiat Uno que atingiram o carro de Mayana, um Celta. Ambos respondem processo por homicídio com dolo eventual, quando não se tem a intenção de matar mas o risco da conduta perigosa é assumido pelos autores.

Os dois jovens negam a disputa em via pública ou que tenham furado um sinal vermelho, versão sustentada por Kenneth Gonçalves Pereira, amigos dos acusados e que também está sendo processado por falso testemunho, já que mentiu em depoimento. A perícia constatou que o sinal não estava verde na hora em que ambos cruzaram a rua.
 

Leia Também