Campo Grande - MS, domingo, 19 de agosto de 2018

POSTOS DE COMBUSTÍVEIS

Cinco mil trabalhadores votam pedindo segurança física e à saúde

27 MAI 2011Por FAUSTO BRITES14h:29

Os cinco mil trabalhadores em postos de combustíveis de Mato Grosso do Sul poderão cobrar, a partir de agora, mais segurança contra assaltos e no manuseio de produtos químicos,

Essa foi a proposta da nova diretoria eleita, ontem, no Sinpospetro (Sindicato dos Empregados em Postos de Serviços de Combustíveis e Derivados de Petróleo do Estado de Mato Grosso do Sul) eleita ontem no Estado.

Esta foi a primeira eleição da entidade depois que foi criada há cinco anos, informa Gilson da Silva Sá, que já ocupava a presidência e agora foi reconduzido à direção da entidade.

O processo eleitoral foi acompanhado por Estevão Rocha dos Santos, vice-presidente da Força Sindical Regional Mato Grosso do Sul, que presidiu a mesa de apuração, e pelo sindicalista José Lucas da Silva, presidente da Feintramag (Federação Interestadual dos Trabalhadores na Movimentação de Mercadoriasde Mato Grosso e Mato Grosso do Sul) e membro da executiva nacional da CGTB.

Urnas de apuração foram instaladas em diversos municípios do Estado e reconduzidas lacradas à Capital e apuradas na presença de representantes doMinistério do Trabalho e Emprego.

A diretoria foi eleita com mais de 900 votos.

Problemas

Os problemas mais comuns entre os trabalhadores em postos de combustíveis, segundo Gilson Sá, são o perigo de contaminação com hidrocarboneto, benzeno e outros produtos químicos que podem provocar sérios problemas de saúde nas pessoas, como leucemia e pode levar até à morte, como já aconteceu recentemente em Dourados, com um homem que foi contaminado devido ao constante manuseio de combustíveis e acabou morrendo.

Outro problema sério no mercado sul-mato-grossense, segundo o dirigente Sinpospetro, diz respeito à falta de pagamento de horas extras dos funcionários de postos.

Quanto aos assaltos a postos, o Sinpospetro diz que o maior número de vítimas está na categoria dos frentistas.

Leia Também