Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL

Chuvas matam dois no Paraná; SC e RS têm cidades em calamidade

Chuvas matam dois no Paraná; SC e RS têm cidades em calamidade
12/03/2011 15:09 - Folha


Duas pessoas morreram após um novo deslizamento de terra na noite de ontem (11), em Antonina, no litoral do Paraná. Na madrugada de sexta-feira, a chuva já tinha alagado casas e interditado o tráfego na região.

As chuvas que atingem o Sul do país começaram na quinta-feira. No Paraná, cidades do litoral foram as mais afetadas. Pelo menos 83 pessoas estão desabrigadas em Antonina, Morretes, Guaratuba e Paranaguá. Outras 4.511 pessoas tiveram que deixar suas casas temporariamente.

Segundo a Defesa Civil, mais de 16 mil pessoas tiveram prejuízos pelas chuvas no Estado.

Em São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba, uma queda de barreiras interditou a via de acesso à Colônia Castelhano. As chuvas também destruíram 12 pontes em Honório Serpa.

RIO GRANDE DO SUL

As ministras Ideli Salvatti (Pesca) e Maria do Rosário (Direitos Humanos) chegaram na manhã de ontem (11) em São Lourenço do Sul, no Rio Grande do Sul.

Eles foram à cidade a pedido da presidente Dilma Rousseff. A cidade está em estado de calamidade pública. Bairros inteiros foram cobertos pela lama.

Segundo decreto enviado pela prefeitura à Defesa Civil, o rio São Lourenço subiu três metros em alguns locais da cidade. Sete pessoas morreram e outras 2.300 pessoas estão desabrigadas ou fora de suas casas.

SANTA CATARINA

A cidade de Rio dos Cedros, no Vale do Itajaí, é a segunda a decretar estado de calamidade pública por conta das chuvas que atingiram Santa Catarina neste ano. A primeira foi Mirim Doce, no final de janeiro.

Com o decreto de Rio dos Cedros, já são nove cidades que notificaram prejuízos nesta semana à Defesa Civil. Mais de 322 mil pessoas foram afetadas pelas chuvas no Estado.

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.