Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Chuvas elevam em até 100% preços de legumes e hortaliças

10 FEV 10 - 22h:47ADRIANA MOLINA
Os preços das frutas, verduras, legumes e folhosas ficaram até 100% mais caros no Estado nos nove primeiros dias de fevereiro, em relação ao mesmo período de janeiro. Os dados foram levantados ontem junto à Central de Abastecimento de Mato Grosso do Sul (Ceasa-MS). O produto que apresentou o maior percentual de variação (100%) foi o chuchu. A caixa comercializada na central passou de R$ 30 para R$ 60. Porém, destaca-se como grande vilã entre esse tipo de produto a alface, que, embora tenha apresentando um acréscimo de 20% neste mês, registrou alta acumulada de 125% nos últimos quatro meses. Desde outubro do ano passado, os preços da folhosa entraram em crescente elevação, chamando a atenção entre os demais produtos. Dos R$ 8 cobrados pela caixa com 18 pés, passou para os atuais R$ 18. A disparada nas cotações é provocada pelas chuvas, que, além de destruir a produção local de hortaliças, também castigam propriedades de São Paulo que respondem pela maior parte do fornecimentos de legumes e frutas para Mato Grosso do Sul. Segundo Cristiano Chaves, chefe da divisão de mercado e estatística da Ceasa, os valores destes produtos tornam- se ainda mais amargos quando chegam às gôndolas dos mercados e sacolões. “Esses são os preços praticados aqui na Ceasa, o que daria R$ 1 por pé de alface. Mas hoje encontramos supermercados vendendo a R$ 3 cada, pois geralmente aumentam em, no mínimo, 100%, 200% o preço de custo para repassar ao consumidor final”, explica. E a expectativa é de que o valor da alface fique ainda mais alto nos próximos dias, já que, com as frequentes chuvas, Mato Grosso do Sul não está conseguindo produzir o suficiente para seu consumo e o principal fornecedor do Estado, São Paulo, também se encontra na mesma situação. O excesso de água, que tem feito a produção ficar escassa, não é o único fator que encarece a folhosa. A situação desencadeia outra: a importação do produto de localidades mais distantes, o que faz o preço do frete ficar mais caro, aumentando ainda mais o custo até o destino final – o que logicamente chegará ao consumidor. Outros produtos Tiveram altas significativas ainda nos primeiros dias de fevereiro, de acordo com a Ceasa, a berinjela (75% - passando de R$ 20 para R$ 35 a caixa); a laranja (60% - subindo de R$ 15 para R$ 25 o saco); o repol ho roxo (50% – aumentando de R$ 35 para R$ 45 a caixa); e o tomate (48% - que passou de R$ 25 para R$ 37 a caixa). Há ainda aqueles produtos que registraram altas menos expressivas, abaixo dos 40%, como o pimentão verde (33%), maracujá (30%); pepino e melancia (14%); e cenoura (11%). Os acréscimos nos custos desses produtos são justificados, segundo Chaves, basicamente pela importação. “Mais de 82% do que é comercializado em Mato Grosso do Sul vem de outros estados. Apenas São Paulo representa cerca de 46% das importações sul-mato-grossenses”, conta. Além do estado, que envia folhosas, verduras e legumes, há ainda o Rio Grande do Sul, Minas Gerais e Goiás – responsáveis por grande parte das frutas que chegam ao Estado.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ECONOMIA

Mercosul concluiu acordo comercial com países do Efta, diz Bolsonaro

ECONOMIA

Caixa avalia mudança para taxa prefixada no financiamento imobiliário

BRASIL

Lula se cala na Pentiti, 64ª fase da Lava Jato

BRASIL

Maia: País vive 'quase um estado autoritário', inclusive na área do meio ambiente

Mais Lidas