Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Chuvas aliviam temor com a soja

14 FEV 10 - 05h:01
Depois da preocupação por causa de um período de estiagem na maioria dos municípios, o que estava colocando em risco muitas lavouras devido ao forte calor, voltou a chover em boa parte da região de Dourados na tarde e noite de sexta-feira. Agrônomos consultados pelo Correio do Estado disseram que a seca já durava de 15 a 20 dias em algumas áreas de vários municípios agrícolas, e a soja em formação de vagens estava sendo “cozinhada” pelo calor excessivo. A temperatura chegou a ser medida sob os pés de soja, chegando a atingir perto de 60 graus. Esse clima desfavorável estava sinalizado com perdas na produtividade, segundo disseram agricultores do distrito de Picadinha, porque os grãos não se desenvolviam direito e estavam ficando chochos. A mudança no clima na sexta-feira trouxe alívio à maioria dos produtores porque a chuva, com maior ou menor intensidade, foi bastante concentrada em lavouras da Grande Dourados. Mas outras regiões ficaram apenas com o tempo nublado sem as esperadas pancadas, como o Guassu, em Dourados. Mas as precipitações ocorreram em bons índices em Itaporã, Rio Brilhante, Ponta Porã, Dourados, inclusive na região do Itahum, normalmente considerada ruim de chuva. A Embrapa Agropecuária Oeste registrou 18,8 milímetros anteontem. Como o agrônomo douradense Sérgio Miranda explicou ontem, “não choveu em todos os lugares, ficando parte de lavouras sem água. Mas o tempo nublado ajuda a diminuir o calor e isso já ajuda a soja, com a umidade do ar”. Ele confirmou que os plantios estavam passando por períodos críticos por causa das temperaturas altas. Neste sábado, o dia permaneceu nublado em toda a região e sem calor. Em Dourados, o IBGE confirmou, na última reunião da Comissão Regional de Estatísticas Agropecuárias (Corea), um rendimento médio de 3.000 quilos por hectare, previsto na avaliação anterior, correspondendo a 50 sacas. Mas muitos agricultores colherão 55 sacas. Isso deverá garantir 420.000 toneladas de soja nos 140 mil hectares plantados neste município.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Confira o seu astral para esta quarta-feira
OSCAR QUIROGA

Confira o seu astral para esta quarta-feira

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta quarta-feira: "A retomada da esperança"

ARTIGO

J.Bandeira: "O que Lula está tentando fazer a gente engolir"

Economista e bacharel em Direito
OPINIÃO

Ângelo Rabelo: "O fogo nosso de cada dia"

Coronel da reserva da Polícia Militar, fundador do Instituto Homem Pantaneiro

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião