Quarta, 20 de Junho de 2018

Chuva recorde ameaça a 2ª maior safra da história

31 JAN 2010Por JOSÉ MARIA TOMAZELA (AE)07h:40
A l i ad as h istóricas do produtor rural, as chuvas se converteram no maior fator de risco para a safra de grãos que começa a ser colhida nas principais regiões produtoras do País. A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) previu safra de 141,3 milhões de toneladas, a segunda maior da história, no levantamento de janeiro, mas o excesso de umidade pode frustrar a produção. O índice de chuvas é recorde no Sul, Sudeste e parte do Centro- Oeste. Em algumas regiões do Estado de São Paulo, o índice acumulado em janeiro chega a 300 milímetros, o maior índice em 30 anos. Em Mato Grosso do Sul, além de destruir as estradas vicinais e atrapalhar o escoamento da safra, a chuva impede a retirada do grão das lavouras. Em MS, a queda no preço da saca já atinge 26%. A grande quantidade de chuvas paralisa as atividades no campo e atrasa as colheitas de arroz, feijão, milho e soja. A umidade aumenta a incidência de pragas e reduz a qualidade da produção, derrubando preços. O grão úmido exige mais tempo de secagem e abarrota silos e secadores. As estradas rurais, intrafegáveis, estão dificultando o escoamento da safra. No sudoeste do Estado de São Paulo, uma das principais regiões produtoras de feijão do País, as perdas chegam a 65%, segundo a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado. São Paulo produz 180 mil toneladas do alimento em 122 mil hectares. O feijão maduro tomou chuva no campo e perdeu qualidade, diz o engenheiro agrônomo Vandir Daniel da Silva, da secretaria estadual em Itapeva. “A saca de 60 quilos, que estava a R$ 70, foi vendida de R$ 20 a R$ 30.” As lavouras de Frederico D’Avilla, da fazenda Jequitibá do Alto, em Buri, tomaram chuva no fim da safra. Ele aumentou o número de máquinas para apressar a colheita, mesmo assim o feijão ficou “chuvado” e foi vendido pela metade do preço. Os dias chuvosos prejudicam também a soja e o milho com lavouras em formação. De acordo com o agrônomo, a umidade do solo favorece a parte vegetativa da planta, mas o sol é indispensável para os grãos. O céu nublado e a garoa constante preocupam Toshimito Varikoda, da fazenda Santo Antonio, em Itapetininga. “Os pés de soja estão repletos de bain has, mas os grãos não estão graúdos, pois faltou sol.” O produtor teve de replantar quase 10% da área com soja. Os gastos com a secagem do milho, colhido em 200 hectares, também aumentaram. “O grão sai da colheitadeira com 26% de umidade e preciso reduzir para no máximo 16%, senão fermenta.” Em Mato Grosso, as chuvas aumentaram em sete vezes a incidência da ferrugem na soja, em comparação com a safra passada, segundo o presidente da Federação de Agricultura e Pecuária (Famato), Rui Prado. O tempo chuvoso atrasa a colheita e pode causar perdas na produtividade. Para complicar, o escoamento da safra é precário porque as estradas estão ruins. A infraestrutura inadequada aumenta o custo do frete e eleva o risco de prejuízos. “A luz vermelha já acendeu”, disse Prado. A desvalorização média em janeiro foi de R$ 4,60 por saca. O preço do milho também despencou. Segundo o presidente da Famato, os produtores já cobram do governo mecanismos de defesa da renda, como preços mínimos de garantia. A Associação dos Produtores de Soja (Aprosoja) quer rediscutir a cobrança de royalties pelas empresas de sementes. As chuvas e o excesso de umidade estão prejudicando o avanço da colheita da soja no médio norte de Mato Grosso. No Paraná, os produtores iniciaram a colheita de olho no clima. No oeste, a produtividade é bem maior que a da safra passada, afetada pela estiagem. Na região de Maringá, o produtor Olívio Grizotti teve de interromper a colheita quando a área de 200 hectares foi atingida por um temporal. Mais que a chuva, é a queda nos preços que preocupa. Em janeiro, o preço da saca caiu de R$ 45 para R$ 35. (colaborou Venilson Ferreira)

Leia Também