Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Chinesas fazem plástica para deixar nariz em formato da Torre Eiffel

Chinesas fazem plástica para deixar nariz em formato da Torre Eiffel
31/01/2014 18:00 - TERRA


Jovens da China estão fazendo cirurgias plásticas para ficarem com o nariz na forma da Torre Eiffel. Aparentemente, a febre está relacionada à alta concorrência no mercado de trabalho chinês. Estudantes e graduados acreditam que um nariz “mais ocidental” pode ajudar na carreira. As informações são do Daily Mail.

Centenas de anúncios são exibidos no sudoeste da cidade Chongqing, com cartazes que promovem o procedimento “Torre Eiffel” do cirurgião Wang Zuming. No cartaz, aparece uma mulher mostrando um nariz empinado, que remete ao monumento parisiense.

Apesar do custo aproximado de R$ 29.600 e a necessidade de usar tecido da testa para a transformação, a demanda é alta. “Alguns estudantes enfrentam muita pressão para arrumar emprego após a formatura, se as características faciais são boas eles têm mais chances”, afirmou o cirurgião Wang Zuming.

Números oficiais mostram que em 2013 se formaram mais estudantes do que nunca. Com mais graduados e menos postos de trabalho, até 10% das pessoas com diplomas estão desempregadas. Com isso, os empregadores são cada vez mais exigentes na hora de contratar, a ponto de determinar características físicas que o candidato deve ter.

Outras tendências preocupantes são o alongamento das pernas e procedimentos para mudanças oculares. A aparência ocidental é altamente valorizada em alguns países asiáticos. 

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...