BRASIL/MUNDO

China executou mais que o resto do mundo

China executou mais que o resto do mundo
30/03/2010 23:27 -


A China sozinha executou mais prisioneiros no ano passado que o resto do mundo combinado, aponta um relatório da ONG de direitos humanos Anistia Internacional divulgado ontem. O grupo ainda exigiu que Pequim seja transparente com sua política de execuções.

A Anistia Internacional disse que houve “milhares” de execuções na China em 2009, embora não tenha precisado o número, já que o dado é considerado segredo de Estado. Segundo o relatório, nos outros 17 países onde houve execuções, 714 pessoas foram mortas, a maioria no Ira, no Iraque, na Arábia Saudita e nos EUA. Os métodos usados foram decapitação, enforcamento, o uso de cadeira elétrica, de injeção letal e de pelotões de fuzilamento.

Segundo o relatório da Anistia, a China havia executado 1.718 pessoas em 2008. “As autoridades chineses dizem que estão deixando de executar. Se isso é verdade, por que não revelam quantas pessoas receberam a pena capital do Estado?”, pergunta Claudio Cordone, secretário-geral interino da entidade. Embora incompletos, os dados apresentados pela Anistia são tomados como referência pela comunidade internacional.
O Irã foi o segundo país que mais executou, aplicando a pena máxima a 388 pessoas. Segundo o relatório, cerca de 30% dessas execuções ocorreram nas semanas seguintes aos conflitos pós-eleitorais de junho.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".