Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CORINTHIANS

Chicão dá crédito, mas envia recado ao imperador

Chicão dá crédito, mas envia recado ao imperador
08/04/2011 12:10 - g1


Adriano tem em seu contrato com o Corinthians cláusulas que o punirão em caso de mau comportamento. Mas não será apenas no bolso que o Imperador sentirá o peso por suas possíveis trapalhadas. Dentro de campo, os líderes do grupo não querem saber de regalias, como ocorria no Flamengo. É o capitão Chicão quem avisa: o centroavante responderá por seus deslizes.

- Fora de campo, a vida dele não nos preocupa. Cada um sabe o que faz. Ele será cobrado se atrasar ou faltar. Isso já é dentro de campo. Não podemos deixar que aconteça. Se acontecer, vamos conversar para resolver da melhor maneira possível – afirmou o defensor.

Durante o processo de negociação com Adriano, alguns jogadores foram questionados se aprovariam ou não a vinda dele. As respostas se dividiram. Pesou o poder de convencimento de Ronaldo e do presidente Andrés Sanches.

Chicão é um dos poucos remanescentes da equipe corintiana que disputou a Série B e, por isso, se transformou em um dos mentores do elenco. Titular absoluto há quase quatro anos, o jogador herdou a braçadeira de capitão assim que Ronaldo anunciou a aposentadoria. Ele e Alessandro, outro que estava na Segundona, são os “cabeças” do grupo.

O bom relacionamento entre os jogadores, aliás, sempre é destacado pelo técnico Tite nas entrevistas coletivas. Problemas de atraso ou falta dos treinamentos praticamente não acontecem. As normas são cumpridas tão à risca que não há sequer o pagamento da famosa “caixinha” para quem não chega no horário.

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?