Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FÓRMULA 1

Chefe da Red Bull minimiza problemas

Chefe da Red Bull minimiza problemas
10/02/2014 23:00 - FOLHA PRESS


Apesar dos problemas enfrentados pela Red Bull na primeira sessão de testes da pré-temporada da F-1, quando conseguiu completar apenas 21 voltas em quatro dias de treinos, Christian Horner, chefe da tetracampeã mundial, minimizou o fato e disse que não há nada de "muito errado" com o carro da escuderia.

"Existem algumas coisas que precisam ser ajustadas, mas nada de muito grave de nossa parte. A Renault também teve alguns problemas e está tentando arrumar as coisas também", afirmou Horner em entrevista à TV inglesa Sky Sports.

"A verdade é que estes carros novos são tão complicados que mesmo os pequenos problemas causam grandes falhas", completou o dirigente sobre a grande mudança no regulamento técnico da categoria, especialmente no que diz respeito aos motores. A partir deste ano, a F-1 passará a usar propulsores V6 turbo de 1,6 l no lugar dos V8 de 2,4 l que eram usados até a temporada passada.

Depois dos problemas que teve durante os testes, a maioria deles relacionados com o resfriamento do motor, a Red Bull teve de traçar um plano de emergência. Tanto Horner quanto Adrian Newey, projetista do time, voltaram antes da Espanha para a fábrica em Milton Keynes para tentar encontrar soluções rapidamente.

"Claro que há bastante coisa a ser feita neste momento, mas ainda há muito tempo antes da primeira corrida", disse Horner. A abertura do Mundial acontece em 16 de março, na Austrália.

"O teste no Bahrein, na próxima semana, vai ser importante e estamos trabalhando duro tanto com a Renault como em Milton Keynes. Não queremos uma repetição do que aconteceu em Jerez, mas é para isso que existem os testes, para que a gente solucione os problemas e não veja eles se repetirem durante as corridas", completou o dirigente inglês. 

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.