Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Chanceler russo se nega a encontrar colega ucraniano

5 MAR 14 - 21h:00Folhapress

 O chefe da diplomacia russa, Sergei Lavrov, recusou-se a encontrar o seu colega ucraniano Andrei Deschitsa hoje em Paris.

Apesar da pressão britânica e americana, "Sergei Lavrov se recusou a ver" Andrei Deschitsa, disse à AFP a embaixada da Ucrânia em Paris. O chanceler ucraniano decidiu, então, deixar a França e retornar à Ucrânia, mas houve uma "mudança de planos", segundo a mesma fonte.
Enquanto isso, os Estados Unidos informaram que o ministro ucraniano não tinha deixado a França. Deschitsa chegou ontem a Paris, por iniciativa do secretário de Estado americano John Kerry.

Este viajou para Kiev na terça-feira para apoiar o novo governo ucraniano, que Moscou não reconhece.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia "não partiu e pretende ficar em Paris para futuras discussões", disse uma autoridade americana, que pediu anonimato.
Hoje à tarde, Kerry e Lavrov se reuniram em Paris, segundo fontes diplomáticas.

Os ocidentais aumentaram a pressão sobre a Rússia para obter uma "desescalada" da crise ucraniana antes de uma reunião extraordinária, amanhã, em Bruxelas, da União Europeia, que prometeu adotar sanções caso Moscou não mostre flexibilidade com relação à crise na Ucrânia.

Diálogo

 Deschitsa reiterou a disposição de seu governo em dialogar com a Rússia para encontrar uma saída pacífica à crise.

"Estamos dispostos ao diálogo com a Rússia, com seu governo, e estamos prontos a participar completamente em todas as combinações que permitam sair desta crise", assegurou Deschitsa em Paris.

O ministro ucraniano não pôde reunir-se na capital francesa com o ministro das Relações Exteriores russo, Lavrov, por recusa deste último, segundo indicou a embaixada da Ucrânia em Paris, uma informação não confirmada pela Rússia.

O chefe da diplomacia ucraniana considerou que a situação enfrenta "um momento crítico para a segurança da região" e afirmou que seu governo tem a intenção de utilizar "todos os meios pacíficos para sair desta crise".

"Não temos em nenhum caso a intenção de lutar contra a Rússia", ressaltou o chefe da diplomacia ucraniana.

Deschitsa se reuniu em Paris, separadamente, com seus colegas francês, Laurent Fabius; americano, Kerry, e britânico, William Hague, em um momento no qual a capital francesa reunia os responsáveis da diplomacia das principais potências internacionais por ocasião de uma cúpula sobre o Líbano.

Ao longo do dia se multiplicaram os encontros bilaterais sobre a situação na Ucrânia e Kerry realizou uma reunião com Lavrov.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

ARTIGO

Nilson Reia Boiteux: "Guerra da Lagosta, o contencioso diplomático-militar Brasil x França"

Coronel reformado do Exército
OPINIÃO

Clementino Ferreira de Brites: "A pessoa idosa"

Presidente do Conselho Estadual dos Direitos das Pessoas Idosas

Felpuda

AGORA É LEI

Agressor de mulher será obrigado a ressarcir custos do SUS

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião