Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Chance desperdiçada

10 MAI 10 - 05h:47
Embora praticamente nada tenha saído do papel, revitalização da região central de Campo Grande é um assunto que há anos faz parte da agenda da administração municipal. Incontáveis reuniões para debater o tema já aconteceram. Empréstimos milionários foram buscados em Brasília e até fora do País. Mas, quando surge a oportunidade de revitalizar a região que realmente precisa passar por um processo de renovação, a da velha rodoviária, as autoridades municipais e estaduais literalmente fazem “corpo mole”.

    Dirigentes das universidades estadual e federal demonstraram interesse em transformar o prédio numa espécie de centro universitário, que também abrigaria salas da Uningá (Unidade de Ensino Superior Ingá). Para isso, porém, o Governo estadual, principalmente, teria de demonstrar interesse de valorizar o ensino superior e colocar a mão no bolso a fim de dar estrutura de verdade à UEMS em Campo Grande. Por enquanto, ela funciona em salas “emprestadas” de uma escola estadual e será instalada definitivamente no prédio de uma escola desativada na periferia da Capital. Isto significa que tão cedo as famílias campo-grandenses não precisam esperar que a instituição verdadeiramente chegue à cidade.

    A informação de que tanto a UFMS quanto a UEMS desistiram do prédio chega na mesma semana em que veio a público a informação de que foram gastos R$ 2,3 milhões na confecção de agendas, com foto do governador, distribuídas aos alunos da rede estadual pelo Detran. Quer dizer, investe-se em “perfumaria” (agendas definitivamente não são itens de primeira necessidade nas mãos de alunos, que certamente as abandonaram após alguns dias de uso) e deixa-se para segundo plano algo que realmente faria a diferença para milhares de jovens da Capital e de quebra ainda resolveria um sério problema da região central de Campo Grande. 

    Um centro universitário no prédio da desativada rodoviária certamente daria nova configuração a uma região visivelmente deteriorada e que, sem o movimento dos passageiros de ônibus, tende a ficar pior. Investir milhões e milhões em revitalização de ruas, fiação das redes de telefonia e energia, reforma de antigas fachadas e outras medidas externas não é o suficiente para recuperar alguma região da cidade caso estas intervenções não venham acompanhadas de atividades econômicas permanentes.

    A omissão do governador e do prefeito, além de mostrar que pouco se preocupam com os problemas concretos da população de Campo Grande, evidencia, principalmente, que dão a mínima para a educação dos jovens. Para desapropriar mais de 22 hectares e doá-los a multimilionários donos de empresas de ônibus existe dinheiro no caixa da prefeitura da Capital. Recurso menor poderia ter sido destinado à desapropriação do antigo prédio para que pudesse ser cedido ou alugado às instituições de ensino. Porém, quando existe dinheiro para beneficiar empresas de ônibus e falta para a educação, qualquer comentário sobre administradores que conduzem a coisa pública desta forma é dispensável. A não ser, é claro, que "cidade dos ônibus" e a velha rodoviária tenham alguma relação direta que não se quer que venha a público
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

FUSÃO

Cade aprova aquisição de parte da Embraer pela Boeing

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant
ASTRO DO BASQUETE

Autoridades identificam outras sete vítimas do acidente que matou Kobe Bryant

ALERTA

Anvisa só inspeciona aviões da China quando suspeita de coronavírus é notificada

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"
COMPORTAMENTO

Roberta D'Albuquerque: "Não chore não"

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião