Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Cesta básica familiar ficou 2,49% mais cara

7 ABR 10 - 23h:30
Pesquisa elaborada mensalmente pela Secretaria de Estado do Meio Ambiente, das Cidades, do Planejamento da Ciência e Tecnologia (Semac) apontou que a cesta básica familiar ficou 2,49% mais cara em março, em relação ao mês anterior. O custo total dos 44 produtos que compõem o pacote fechou o mês a R$ 1.006,22, enquanto em fevereiro, eram necessários R$ 981,74 para a mesma compra
.
O valor representa o comprometimento de 39,46% do total da renda familiar, considerando cinco salários mínimos (R$ 2.550,00) para atender uma família composta por cinco pessoas. Mais da metade dos produtos, 26, apresentaram alta de preços, outros 12 queda e seis mantiveram seus valores inalterados.
No grupo alimentação, que contém 32 produtos, o levantamento verificou alta de 2,61%, alavancada principalmente pelos hortifrútis, como o tomate (28,58%); a abobrinha (14,92%); a laranja (12,40%) e o mamão (11,43%). No mesmo grupo, tiveram altas expressivas ainda, o arroz (5,92%); a carne (5,77%); a farinha de trigo (5,11%) e os ovos (4,81%).

Tiveram decréscimo a cenoura, que embora esteja no grupo de hortifrútis, por conta da recuperação na produtividade, gerou maior oferta e redução de preço, que fechou o mês 10,14% menor. Há ainda o óleo (-3,77%); manteiga (-2,22%); queijo (-1,25%); frango (-0,94%) e doces (-0,72%).
Os produtos que não registraram alteração de preços foram: pão francês, pão doce, sal, banana e peixe.

Também inflacionaram os produtos do grupo higiene pessoal, que registrou variação positiva de 1,70%. Apresentaram alta: papel higiênico e absorvente com 3,57%, sabonete (3,12%) e lâmina de barbear (0,82%). O dentifrício caiu 2,14%.
 
Cesta alimentar
Já o Índice da cesta básica alimentar, composta por 15 itens para a alimentação diária de um adulto, apresentou alta de 5,62% em relação ao mês de fevereiro, custando R$ 227,44, enquanto no mês anterior eram necessários R$ 215,34 para a mesma compra. A pesquisa constatou que o trabalhador recebendo um salário mínimo (R$ 510,00), em março, comprometeu 44,60% do seu vencimento para aquisição da cesta. (AM)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CASO DO TRIPLEX

PGR envia ao STJ parecer contra anulação da condenação de Lula

SAÚDE PÚBLICA

OMS declara emergência internacional por surto de ebola no Congo

Reviva tem 77% das obras <br>concluídas na 14 de Julho
CAMPO GRANDE

Reviva tem 77% das obras
concluídas na 14 de Julho

Mandetta lançará programa inédito em Campo Grande na segunda-feira
SAÚDE

Mandetta lançará programa inédito em Campo Grande

Mais Lidas