Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 14 de novembro de 2018

inflação

Cesta Básica apresenta variação de 0,25% em julho

3 AGO 2012Por da redação16h:40

Produtos da Cesta Básica

 

A pesquisa de julho assinalou que dos produtos que compõem a Cesta Básica Alimentar, sete registraram queda de preços: laranja (12,23%); batata (8,26%); macarrão (2,89%); sal (2,22%); carne (1,59%); alface (1,01%) e banana (0,26%).

Os produtos que acusaram alta de preço foram: tomate (14,98%); feijão (3,73%); pão (3,15%); margarina (2,05%); leite (1,95%); arroz (1,52%); óleo (1,19%). O açúcar cristal manteve seu preço inalterado.

Análise
Segundo os técnicos responsáveis pela pesquisa a laranja continua em queda pelo excesso do volume ofertado no mercado nacional com a grande safra reduzindo seu preço 12,23%. Com a colheita da batata no período aumentou sua oferta, diminuindo seu preço 8,26%.

As chuvas fortes ocorridas no mês de junho dificultaram a colheita do tomate e as baixas temperaturas também contribuíram para desacelerar a maturação do produto, que no mês de julho esteve escasso, devido ao fim da safra de inverno aumentando seu preço 14,98%.

Houve ainda aumento do preço do feijão 3,73%, devido à redução das ofertas nos estabelecimentos pesquisados. Após sucessivos meses de equilíbrio, o pão francês no mês em questão, assinalou alta de 3,15%, em consequência da alta de seu principal ingrediente, a farinha de trigo.

Variação acumulada por produtos
Nos últimos seis meses, os produtos que assinalaram maiores altas foram: feijão, óleo, arroz, leite e margarina. A pesquisa destaca ainda os produtos que apresentaram queda dos valores: açúcar, tomate, batata, sal e macarrão.

Renda Mensal e Cesta Básica
A Semac também realiza na pesquisa um comparativo dos valores Cesta básica quanto à renda mensal. A análise constatou que no mês de julho o trabalhador que recebe um salário mínimo de R$ 622,00, precisou comprometer 41,45% de sua renda para aquisição da Cesta Alimentar.

Para atender suas outras necessidades básicas como: água, energia, saúde, serviços pessoais, vestuários, lazer e outros, restaram 58,55% de seu salário. Para adquirir a Cesta o trabalhador teve que cumprir 91 horas e 26 minutos da sua jornada de trabalho mensal de 220 horas.


Cesta Básica Familiar
A pesquisa também verifica o custo da Cesta Básica Alimentar recomendada para uma família de cinco pessoas. O custo da Cesta Básica Familiar no mês de julho apresentou alta de 0,44% em relação ao mês anterior, registrando a importância de R$ 1.155,08. No mês anterior o valor era de R$ 1.150,03.

A Cesta Básica Familiar é composta por um painel fixo de produtos, que deve preencher as necessidades para higiene, limpeza e alimentação. São pesquisados 32 produtos de alimentação, cinco produtos de higiene pessoal e sete produtos de limpeza doméstica, selecionados através de hábitos de consumo (Pesquisa de Orçamento Familiar/POF-1989) e suas respectivas quantidades, essenciais à sobrevivência adequada.
Quanto à variação acumulada apresentaram índices positivos: nos últimos 12 meses de 6,84% nos últimos seis meses de 0,96% e no ano de 2,75%. Dentre os 44 produtos pesquisados que compõem a Cesta Familiar, 16 apresentaram queda, 22 apresentaram alta de preço e seis mantiveram seu preço inalterado.

Alimentação
No grupo Alimentação, onde foram analisados 32 produtos, a pesquisa constatou alta de 0,53%, registrado pelos principais produtos: tomate 14,98%; cenoura 14,26%; alho 7,52%; ovos 5,57%; mamão 5,48%; feijão 3,74%; pão 3,11%; margarina 2,11%; leite 1,95% e café 1,54%. Os produtos em queda foram: laranja 12,19%; batata 8,22%; couve 4,95%; mandioca 3,36%; macarrão 2,89%; carne 1,59%; sal 1,33%; alface 1,01% e doces 0,72%. Açúcar, cebola e peixe não registraram alteração de preço.

Análise
Segundo análise da pesquisa de preços da Cesta Básica Familiar, a cenoura encontra-se no período de entressafra, reduzindo seus estoques elevando o seu preço 14,26%. O mercado do alho é abastecido com o alho chinês, argentino e o nacional. O alho vindo da china representa 42% do nosso consumo, já o alho argentino 25%.

O alho nacional é responsável por apenas um terço do abastecimento deste segmento no mercado. O comércio mundial do alho é baseado nos preços da China, a qual esteve com queda de produção, o que influenciou na alta do preço nacional no período 7,52%.

O clima favorável no período normalizou a produção da couve, reduzindo seu preço 4,95%. A necessidade de liberação das áreas e o período de safra elevaram o volume ofertado da mandioca, o que diminuiu seu preço 3,36%.

Higiene Pessoal
No grupo Higiene Pessoal cinco itens foram analisados e a pesquisa registrou alta de 0,06%. O produto que contribuiu para essa alta foi: absorvente 5,11% e que registraram queda foi: papel higiênico 2,65%, lâmina de barbear 1,17%, e sabonete 1,33%. Dentifrício não registrou alteração de preço. Neste grupo o destaque ficou para o absorvente, pois algumas marcas saíram de oferta.

Limpeza Doméstica
No que se refere ao grupo Limpeza Doméstica que pesquisou sete produtos houve queda de 1,42%, destacando os seguintes produtos: sabão em pó 3,85%, esponja de aço 2,21% e cera em pasta 0,84%. Os que registraram alta: detergente 3,64% e água sanitária 0,58%. Desinfetante e sabão (barra) mantiveram seu preço inalterado.

Em termos de renda versus salário-mínimo, houve um comprometimento de 37,14% do valor total da renda familiar, considerando cinco salários mínimos, ou seja, R$ 3.110,00 para atender uma família composta por cinco membros. No mês anterior foram registrados 36,98%.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também