Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 15 de dezembro de 2018

vegetação

Cerrado perde 7,6 mil quilômetros quadrados em um ano

19 ABR 2011Por BRUNA LUCIANER17h:09

 

A má notícia é que perdemos uma área de vegetação natural equivalente à soma dos tamanhos do município de São Paulo e do Distrito Federal entre 2008 e 2009. A boa notícia é que esse valor é metade da média registrada nos seis anos anteriores. Os dados foram detectados pelo Centro de Sensoriamento Remoto do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente (Ibama) e divulgados na quarta-feira (6) pela ministra do Meio Ambiente, Izabella Teixeira, em Brasília (DF).

Os remanescentes de vegetação até o ano de 2009 somam pouco mais de 1 milhão de quilômetros quadrados, isto é, 52 % da área total do bioma, enquanto que as áreas desmatadas equivalem a 982 mil quilômetros quadrados, 48% da área total.

O estado que mais desmatou o bioma no período foi o Maranhão, com 2.338 km² de área derrubada, seguido do Tocantins (1.311 km²), Bahia (1.000 km²), Mato Grosso (833 km²), Piauí (701 km²), Goiás (664 km²), Minas Gerais (534 km²), Mato Grosso do Sul (241 km²), São Paulo (7,5 km²) e, por último, Paraná, Distrito Federal e Rondônia, cada um com cerca de 1 quilômetro quadrado.

Cerrado

 

- Trata-se do segundo maior bioma da América do Sul e compreende 25% do território brasileiro
 
- A sua área contínua incide sobre os estados de Goiás, Tocantins, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Bahia, Maranhão, Piauí, Rondônia, Paraná, São Paulo e Distrito Federal, além dos encraves no Amapá, Roraima e Amazonas
 
- É reconhecido como a savana mais rica do mundo, abrigando nos diversos ecossistemas uma flora com mais de 11.000 espécies de plantas nativas
 
- Dois municípios do vizinho Mato Grosso estão entre as 20 cidades que mais desmataram no Cerrado entre 2008 e 2009: Paranatinga, com 107 quilômetros quadrados desmatados, e Cocalinho, com 98,2 quilômetros quadrados
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também