Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

TEMOR

Centenas de pessoas buscam vacina contra gripe H1N1 na rede privada

Centenas de pessoas buscam vacina contra gripe H1N1 na rede privada
15/03/2014 13:00 - DIÁRIO CORUMBAENSE


Após a confirmação de um caso de morte provocada pela gripe Influenza A (H1N1) em Corumbá, clínicas particulares têm recebido uma procura muito grande de pessoas que buscam a vacina contra a doença. Neste sábado (15), uma clínica e uma escola cederam seus espaços para equipes que vieram de Campo Grande oferecer a vacina ao custo de R$ 100 a dose.

Os especialistas afirmam que o que se deve observar é a composição da vacina, que muda a cada ano. Conforme determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), para 2014, as vacinas trivalentes e quadrivalentes, utilizadas na prevenção ao vírus influenza, devem conter três tipos de cepas.

As vacinas trivalentes devem conter amostras do vírus encontrado nos estados norte-americanos da Califórnia (influenza A), Texas (influenza A) e Massachussetts (influenza B). As vacinas quadrivalentes devem conter as amostras já citadas, mais a cepa do vírus influenza B encontrado em Brisbane. Segunda a Anvisa, somente podem ser produzidas, comercializadas ou utilizadas as vacinas influenza que estiverem de acordo com estas determinações, sendo proibida a utilização de quaisquer outras cepas de vírus em vacinas da gripe no país.

A reportagem do Diário Corumbaense foi até os dois locais que ofereciam a imunização na manhã deste sábado. A entrada da equipe não foi permitida na clínica particular, localizada na rua Colombo. Já na escola particular que cedeu espaço, a reportagem foi atendida pela médica Maristela Vargas Peixoto, que veio da Capital.

“A eficácia para o vírus é de praticamente 100%. O que as pessoas têm que diferenciar é a gripe do resfriado, sendo que o resfriado é quando a pessoa fica com o nariz escorrendo, um pouco de dor no corpo e febrícula e gripe, deixa você acamado, com febre alta, congestão pulmonar e pode até levar à morte. Essa vacina previne contra gripe H1N1, e oferecemos a que está sendo usada em 2014, porque todo ano mudam as cepas da vacina, que estimula a produção de anticorpos contra 3 vírus. Estamos com uma vacina nova, diferente da de 2013”, reforçou.

Foram disponibilizadas duas mil doses, o que provocou grandes filas na porta da escola. A imunização começou às 10h, mas desde às 07h a procura já era grande. “Estou na fila desde as 07 da manhã. Minha família fez uma pré-reserva para garantirmos a vacinação. Estamos nos prevenindo depois desse caso confirmado do H1n1”, disse ao Diário, Andréia de Moura.

Já Patrícia Gomes de Castro Moraes levou os filhos para serem imunizados. “Nós ficamos preocupados e uma forma de proteção é a vacina. Pagamos o valor de cem reais, que é um absurdo, pois deveria ser para a população toda de graça, mas em primeiro lugar a saúde, principalmente dos nossos filhos”, frisou.

No entanto, o médico Manoel João de Oliveira, chefe do Centro de Tratamento Intensivo do Hospital de Corumbá, reforçou que não há surto ou epidemia na cidade e nem indicativo de vacinação em massa. “Isso o infectologista Rivaldo Venâncio já deixou muito claro. Até mesmo a clínica da qual sou sócio, está vendendo a vacina e sou contra essa situação. O importante é conscientizar as pessoas sobre a higienização e prevenção do que incitá-las a correr para tomar vacina”, declarou.

A vacina contra a gripe não tem efeito imediato, a proteção começa a existir aproximadamente após duas semanas (15 dias) da administração, prolongando-se por cerca de um ano. Os efeitos colaterais mais comuns são: dor local, febre baixa e mal-estar nas primeiras 48 horas após a aplicação.

Campanha Nacional

A Secretaria Municipal de Saúde não solicitou a antecipação da campanha nacional de vacinação e nem a ampliação das faixas etárias de pessoas que devem tomar a vacina na rede pública porque não há uma ocorrência de emergência para sensibilizar o Ministério da Saúde, que é o órgão que envia o medicamento, para mandar doses extras ao município. A secretária Dinaci Ranzi, informou que as vacinas vão chegar ao município no dia 10 de abril.

Na campanha, a prioridade é para idosos com mais de 60 anos, crianças de seis meses a dois anos, indígenas, gestantes, mulheres no período de até 45 dias após o parto (em puerpério), profissionais de saúde, além das pessoas que têm doenças crônicas do pulmão, coração, fígado, rim, diabetes, imunossupressão e transplantados.

Felpuda


As várias e várias mensagens que vêm sendo trocadas em grupos fechados, e para poucos, são de que algumas alianças poderão acontecer, mas mediante a troca de comando em alguns órgãos importantes. Seriam entendimentos para atender siglas de matizes bem diversos que vêm tentando criar dificuldades para vender facilidades. Se as negociações forem concretizadas, tornarão os caminhos sem muitas barreiras. A conferir.