Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

REINADO DE MOMO

Casos simples de Justiça, no carnaval, serão resolvidos no Sambódromo

20 FEV 14 - 23h:00AGÊNCIA BRASIL

Nos dias de desfile da Série A, do Grupo Especial e no desfile das campeãs, na Marquês de Sapucaí, o Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro (TJ-RJ) vai manter um plantão judiciário no Sambódromo, com o objetivo de atender casos encaminhados pelo policiamento no local.

O juiz titular do Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos, Marcelo Rubiolli, explica que esse juizado também funciona nos espetáculos esportivos e tem atuado em dias de jogos, em estádios como o Maracanã, Engenhão e em Volta Redonda.

“Ou a Polícia Militar ou a Polícia Civil, realizando alguma operação, ou mesmo o Ministério Público, levam os crimes e as ocorrências para o posto da delegacia de polícia, que fica agregado ao juizado, é registrado um termo substanciado do crime e imediatamente é realizada audiência preliminar, onde o autor do fato é julgado”, explicou.

Este será o nono ano de funcionamento do Juizado Especial Criminal no Sambódromo. O plantão judiciário começa uma hora antes dos desfiles e termina uma hora depois, nos dias 28 de fevereiro e 1, 2, 3, e 8 de março. De acordo com Rubiolli, a ideia é reprimir a violência e o câmbio, para garantir um ambiente de tranquilidade.

“O grande evento é uma instalação de um Juizado Especial Criminal, que recebe [o caso], reconhece os efeitos de crimes, de matéria criminal com pena em abstrato de até dois anos de prisão. Normalmente o que acontece no Sambódromo é embriaguez, lesões corporais, em razão do estado etílico, e o que a gente chama de crime contra a economia popular do câmbio. São tipos de contendas mais próprias de eventos com grande aglomeração de público”.

São casos como desacato, agressão e ações envolvendo consumo, como a compra de ingressos. O Juizado Especial do Torcedor e dos Grandes Eventos conta com um juiz, um promotor de Justiça, um defensor público e serventuários.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

CONVIDADO PARA PALESTRAR

Bretas barra viagem de Temer a Oxford

CORREIO DO ESTADO

Confira o editorial desta sexta-feira: "Normas para todos"

ARTIGO

Ângela Maria Costa: "A falácia da participação popular"

Integrante do Conselho Municipal de Educação
OPINIÃO

João Badari: "Concessão de aposentadoria poderá ficar mais difícil"

Advogado

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião