Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Casos diminuem mas mortes aumentam

Casos diminuem mas mortes aumentam
09/04/2010 20:16 -


Flavio Paes

 

O número de notificações de dengue no primeiro trimestre de 2010 em Campo Grande caiu 29% em relação à igual período de 2007, quando foi registrada a última epidemia da doença na Capital. Entre janeiro e março daquele ano foram 39.852 notificações, enquanto em igual período deste ano, foram 28.118 registros. Em compensação, a atual epidemia tem sido bem mais letal que a anterior, quando só duas pessoas morreram. Exames laboratoriais confirmaram que sete óbitos tiveram a dengue como causa da morte, oito estão sob investigação e quatro foram descartados. As autoridades em saúde – tanto do Estado, quanto do município – explicam que a atual epidemia tem provocado sintomas mais graves por causa da circulação de dois vírus (o tipo 1 e o tipo 2). Quando a pessoa contrai a dengue por algum desses tipos virais, segundo o Ministério da Saúde, ela fica imunizada apenas contra ele, podendo ser novamente infectada por outro sorotipo. E, quando o paciente é infectado mais de uma vez, aumenta o risco de desenvolver formas graves da dengue. No primeiro trimestre de 2010, foram notificados 66 casos de pacientes com sintomas da dengue hemorrágica.

A coordenadora a diretora de Vigilância em Saúde, Ana Lúcia Lyrio de Oliveira, acredita que em abril o número de notificações deve ser inferior ao de março (quando fechou em 9.962 casos), a exemplo do que aconteceu em 2007 (quando caiu de 11.664 para 3.819). A chegada do outono, estação de temperaturas mais amenas e menos chuva – é um fato decisivo para esta reversão do quadro de incidência.

 

No Estado

O último boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria de Estado Saúde aponta que a dengue pode ter matado 38 pessoas no Estado. São 17 mortes confirmadas e outras 21 sob investigação. Das mortes confirmadas, sete foram em Campo Grande, quatro em Dourados, três em Jardim, uma em Corumbá, uma em Paranaíba e uma em Rio Brilhante. Já as que estão sob investigação ocorreram em Campo Grande (8), Dourados (8), Jardim (4) e Ponta Porá (1). Quatro casos foram descartados, todos na Capital.

Já foram notificados no Estado 53.240 casos da doença, mas a Secretaria observa que mais da metade dos municípios não informaram os casos suspeitos.

Os municípios em monitoramento estratégico – Bonito, Campo Grande, Corumbá, Coxim, Dourados, Jardim, Ponta Porã e Três Lagoas – concentram 54,4% (1.284.735) da população estadual e 71,9% (38.298) dos casos suspeitos da doença, de acordo com a Planilha Simplificada de acompanhamento.

Felpuda


Malfeitos que teriam sido praticados em tempos não tão remotos podem ser a pedra no caminho de pré-candidatura que está sendo costurada. As conversas ainda estão nas “ondas da rádio-peão”, mas, com a proximidade da campanha eleitoral, há quem diga que isso se tornará uma tremenda dor de cabeça para quem vai enfrentar as urnas. Pior:  o dito não seria culpado direto, mas sim a sua...  Bem, deixa rolar para ver onde vai parar.