Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

Casal que raptou bebê receberia R$ 500 mil pela criança, diz polícia

9 JUL 2012Por r704h:00

O casal suspeito de raptar o bebê Gustavo Sabino dos Santos, de 6 dias, teria cometido o crime para aplicar um golpe no pai da suposta raptora. O homem, que seria um fazendeiro rico, havia prometido R$ 500 mil a ela, caso a jovem tivesse um filho. As informações preliminares são do delegado Luciano Coelho, da Delegacia de Saquarema (124ª DP).

De acordo com ele, a jovem, que chegou a engravidar, perdeu a criança aos três meses de gestação.

- Ela perdeu o filho, mas não contou para o pai. Como precisava provar que estava grávida, ela tirava fotos com uma barriga falsa.

O casal decidiu forjar o sequestro quando o fazendeiro disse que viria para o Rio de Janeiro para conhecer o neto.

Segundo o delegado Luciano Coelho, a repercussão do caso na imprensa chegou a impedir o casal de sair de casa. Eles teriam ficado com medo de serem descobertos.

O casal foi denunciado por um vizinho, que fez uma ligação anônima para o posto da Polícia Militar da cidade.

Os dois estão presos e vão responder por sequestro e cárcere privado. A polícia procura por outras duas pessoas, que podem ter participado do rapto.

Entenda o caso

Gustavo foi retirado dos braços da mãe, de 17 anos, na noite de sexta-feira (6) por bandidos armados. Dois deles arrombaram a porta, enquanto um terceiro homem dava cobertura à ação. Segundo a família, os criminosos perguntavam insistentemente por um homem chamado Marcelo, que teria contraído uma dívida com eles. Como a família disse não conhecer ninguém com aquele nome, os bandidos tomaram o bebê como forma de vingança.

Os pais ainda não haviam registrado a criança. Além disso, a família tinha uma única foto do bebê, que estava no celular do pai, o motorista de caminhão Rodrigo Francisco.

No fim da manhã deste domingo, a família de Gustavo realizou um protesto. O principal objetivo da família era dar maior visibilidade ao crime, para ajudar na localização da criança. Eles também pediam justiça na punição dos sequestradores.

De carro, eles percorreram a estrada pedindo que a população colaborasse com informações sobre os criminosos ou sobre o bebê. Além da carreata, os manifestantes seguiram até o centro de Bacaxá, onde a família mora.

O programa SOS Crianças Desaparecidas, da FIA (Fundação para a Infância e Adolescência) chegou a disponibilizar um telefone para receber informações sobre o paradeiro de Gustavo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também