Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CIDADES

Casal chefiava tráfico de dentro do presídio

Casal chefiava tráfico de dentro do presídio
11/08/2010 07:55 -


bruno grubertt

A Polícia Civil desmantelou, ontem, uma organização criminosa que trabalhava com tráfico de drogas e prendeu um casal de detentos que controlava as atividades de dentro dos presídios de Campo Grande. Os líderes da organização, Marcos Elias da Costa, conhecido como “Pirata”, e Daisy Miolli da Silva, a “Panda”, foram pegos em escutas telefônicas autorizadas pela Justiça, de acordo com a polícia.
As investigações mostraram que, de dentro das celas, os dois contratavam pequenos traficantes para transportar o entorpecente até outros estados. Além deles, outras cinco pessoas foram presas, 17 contas bancárias bloqueadas, 15 mandados de busca e apreensão cumpridos em Corumbá, Três Lagoas, Dourados e Ponta Porã. Os policiais ainda apreenderam um automóvel, três motocicletas e 40 quilos de cocaína que seriam distribuídos para São Paulo, Paraíba e em outros estados. A Operação Tic Tac mobilizou mais de 70 policiais de 11 delegacias.
Marcos Elias cumpre pena por latrocínio na Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande e Daisy estava detida por tráfico de drogas no presídio feminino. Com a prisão do casal, suas penas podem ser aumentadas pela Justiça. Marcos Elias, provavelmente, será transferido para o Sistema Penitenciário Federal.
Além deles, a polícia também prendeu, em Campo Grande, George Willian Pereira Kowalewski, o “Linguiça”, Amadeu Coutinho, e Paulo Roberto Batista. Em São Gabriel do Oeste, Elias Costa Soares e Eva Luciana Lima Peralta também foram detidos. Outras sete pessoas foram indiciadas.

Esquema
De acordo com o delegado Carlos Delano, da Delegacia Especializa em Repressão ao Narcotráfico (Denar), unidade que comandou a investigação, a droga vinha do Paraguai e era distribuída a pequenos traficantes com apoio logístico até de empresas situadas em Dourados e Ponta Porã. As investigações ainda devem apontar como o entorpecente era transportado.
Em um dos locais onde foi cumprido mandado de busca e apreensão, foram encontrados documentos em que estava registrada uma espécie de “estatuto” do crime organizado. “Lá estava a organização e até a hierarquia da organização”, disse o delegado.
Foram bloqueados mais de R$ 200 mil e, agora, a polícia quer descobrir se, junto com o tráfico de drogas, os acusados também praticavam lavagem de dinheiro com o auxílio das empresas, que podem ter servido de laranjas para a movimentação das quantias.
Notas fiscais e cartões bancários foram reunidos e, posteriormente, serão analisados.
Com o inquérito concluído, os envolvidos foram indiciados por associação para o tráfico, crime que pode ser convertido como organização para o crime, que pode levar a uma condenação maior. Mesmo com as investigações finalizadas, outras pessoas ainda podem ser identificadas pela polícia e indiciadas.

Felpuda


As pré-candidaturas bizarras estão se espalhando nas redes sociais, nos perfis de quem acredita que esse tipo de “campanha eleitoral” poderá resultar em votos e até levar à conquista de uma vaga na Câmara Municipal de Campo Grande. Se antes isso era visto apenas no horário eleitoral na TV, agora está se espalhado como erva daninha nas redes. Como diria vovó: “Esse povo ainda se acha!” Afe!