A CUSTO DE OURO

Cartões têm juros de até 601% ao ano

Cartões têm juros de até 601% ao ano
20/08/2012 00:00 - ADRIANA MOLINA


A taxa básica de juros (Selic), aquela que regula o custo do dinheiro para empréstimo, caiu de 10% para 8% nos últimos meses, mas nem por isso o brasileiro está pagando pouco na hora de financiar dívidas no cartão de crédito. Pelo contrário, o Brasil é disparado, o país da América Latina com maior oneração no dinheiro de plástico, chegando a 601,09% ao ano, com média de 323,14% ao ano, de acordo com a Associação Brasileira do Consumidor (Proteste).

Para se ter uma ideia do quão superior é a taxa cobrada pelos bancos para o serviço no Brasil, a segunda maior média é mais de cinco vezes menor que a nossa, de 55% ao ano, praticada pelo Peru. Na sequência, estão: Chile (54,2%); Argentina (50%), México (33,8%), Venezuela (33%) e Colômbia (29,2%).

E porque pagamos tão caro pelo rotativo do cartão de crédito? Por causa da inadimplência – como o mercado é livre, quanto mais calote os bancos levam, mais as taxas são elevadas, para compensar essas perdas. A facilidade no acesso desencadeou o descontrole no uso do dinheiro de plástico fazendo dele, o grande vilão do orçamento das famílias brasileiras.

Leia mais no jornal Correio do Estado

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".