terça, 17 de julho de 2018

Cartão que dispensa fiador em aluguel simplifica processo para inquilino e imobiliária, diz Caixa

23 DEZ 2010Por AGÊNCIA BRASIL13h:35

Ao excluir a necessidade de um fiador e garantir o pagamento de 12 prestações, o Cartão Aluguel vai facilitar o processo de locação de imóveis residenciais, na avaliação do vice-presidente de Pessoa Física da Caixa Econômica Federal, Fábio Lenza.

“A imobiliária não precisa emitir boleto, se atrasar [o pagamento], a imobiliária não tem a preocupação de cobrar, de ligar para o inquilino, tudo é feito pela área de cartão da Caixa Econômica Federal. Simplifica muito o processo, tanto para a imobiliária quanto para o inquilino, além da garantia das doze parcelas, que dispensa o fiador”, destacou.

Ainda em fase de testes em duas imobiliárias credenciadas de Goiânia e duas de São Paulo, o produto foi lançado na última segunda-feira (20). Em fevereiro, será comercializado nacionalmente, depois de passar por eventuais ajustes. Para requisitar o cartão, é necessário ter renda mínima de R$ 1 mil. Quem não é cliente da Caixa também terá direito ao produto, mas precisa fazer o cadastro.

De acordo com Fábio Lenza, será estabelecido um limite para a quitação das parcelas de aluguel. “É um cartão de crédito normal que a pessoa pode usar no dia a dia e nós criamos um limite especial exclusivo para o pagamento de aluguel, que garante doze parcelas. Então, quando se passa esse cartão na imobiliária, já fica programado um ano, e a cada mês é cobrado do inquilino e repassado para a imobiliária”, explicou, em entrevista ao programa Revista Brasil, da Rádio Nacional.

O usuário deverá pagar uma taxa de anuidade de R$ 96 e outra de manutenção de 6,67% ao mês, na mesma fatura do cartão. “É uma taxa [de manutenção] baixa, comparada aos outros instrumentos do mercado, para garantir esses doze meses”, afirmou Lenza.

Caso o inquilino não faça os pagamentos em dia, terá de pagar juros com taxa de 10,02% ao mês, e a imobiliária será avisada pelo banco. Assim, ela poderá tomar as medidas de retomada de imóvel. “Atrasou a segunda [prestação], a Caixa comunica de novo e suspende o pagamento da imobiliária, mas garante, ao final do contrato, repor a imobiliária. Se não comunicar à imobiliária isso pode rolar por vários meses, ficar essa inadimplência e ela prejudica o sistema como um todo e os bons acabam pagando pelos maus pagadores”, alertou.

A expectativa da Caixa Econômica Federal é que 300 imobiliárias estejam cadastradas até fevereiro de 2011.

Leia Também