Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

RIO DE JANEIRO

Carro despenca de 50 m da ponte Rio-Niterói; motorista sobrevive

Carro despenca de 50 m da ponte Rio-Niterói; motorista sobrevive
03/03/2014 14:45 - FOLHAPRESS


Um carro capotou e despencou do vão central da ponte Rio-Niterói no início da manhã de hoje. A queda foi de aproximadamente 50 metros de altura até a baia de Guanabara. O acidente ocorreu por volta das 6h30min.

Em sua parte mais alta, a ponte Rio-Niterói tem 72 metros de altura. No momento do acidente, o carro de Marina seguia por um trecho mais baixo.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, a motorista do veículo, que seguia sentido Rio, capotou com o carro, antes de bater na mureta e despencar.

A motorista identificada como Marina Pinto Borges, 22, foi resgatada com vida. Ela dirigia sozinha e seguia da sua casa em São Gonçalo, região metropolitana da cidade, para o trabalho no Rio.

"Foi um milagre, com certeza", comentou Vinícius Mouta, namorado de Marina, ao entrar no hospital para encontrá-la.

Internada no hospital Souza Aguiar, no Centro do Rio, ela está no centro cirúrgico, sendo operada por problemas detectados no baço.

Segundo a Secretaria municipal de Saúde, Marina sofreu uma lesão no lado esquerdo do corpo em virtude do impacto da queda. De acordo com a secretaria, ela está lúcida, mas permanece fazendo exames e em observação médica.

De acordo com bombeiros que participaram do resgate, Marina disse que tentou desviar de um carro que freou bruscamente, quando perdeu o controle e acabou capotando. Ela deixou o carro nadando e foi levada pelos bombeiros, que a resgataram, para o hospital.
 

Felpuda


Tudo indica que o MDB não conseguiu convencer o PSDB de iniciar namoro com vistas a casamento nas eleições, e a ideia teria sido descartada. Os tucanos demonstraram que o problema deles não é o cargo: os emedebistas ofereceram a vaga de vice na disputa à Prefeitura de Campo Grande, a mesma cobiçada pelos tucanos, mas na chapa do PSB do atual prefeito. A questão, politicamente falando, seria, digamos, o oferecido “noivo”. Afe!