terça, 17 de julho de 2018

Pecuária

Carne orgânica do Pantanal ganha mercado

20 SET 2010Por 10h:33

A Associação Brasileira de Pecuária Orgânica - ABPO Pantanal Orgânico – sediada na Capital, vem se destacando no cenário nacional e através de parcerias já consolidadas com várias entidades, como o WWF Brasil, Embrapa Pantanal, Instituto Biodinâmico (IBD), Sebrae MS, Aliança da Terra e JBS Friboi, está agregando valor à produção de carne orgânica no Pantanal, de forma a relevar o desenvolvimento sustentável de Mato Grosso do Sul.
Atualmente a associação envolve 18 propriedades rurais no Estado, sendo 12 já certificadas, habilitadas a comercializar o boi orgânico e o restante em processo de certificação, localizadas nas sub-regiões da Nhecolândia e Nabileque, no Pantanal Sul-mato-grossense, ocupando uma área de mais de 110 mil hectares, com um rebanho estimado em 45 mil cabeças de gado e abates girando em torno de 80 reses por semana.
Entre os dias 6 e 12 de setembro, a ABPO Pantanal Orgânico promoveu o Pavilhão MS Sustentável, durante a 2ª Expo MS, no Parque de Exposições Laucídio Coelho, um espaço de 350 metros quadrados aberto ao público, com uma decoração toda especial típica de fazendas pantaneiras, que mostrou nos sete dias de evento, o potencial econômico e ambiental não só do Pantanal - como foi na primeira edição - mas de todo o Estado de Mato Grosso do Sul, valorizando e difundindo os projetos de desenvolvimento e valorização de produtos e serviços sustentáveis, com responsabilidade socioambiental, respeito ao meio ambiente e viabilidade econômica.
Durante o evento, dois acontecimentos foram de suma importância para o fortalecimento da ABPO e de seus parceiros: pela primeira vez, o Grupo de Trabalho da Pecuária Sustentável (GTPS), formado por representantes do setor varejista, de bancos, frigoríficos, ONGs ambientalistas, dos produtores rurais e da Embrapa Pantanal, entre outras entidades, realizou reunião em Mato Grosso do Sul, sendo a segunda vez fora do Estado de São Paulo.
O GTPS tem como objetivo discutir e formular normas e práticas capazes de colaborar com a evolução sustentável da cadeia produtiva do gado no Brasil e, para isso, reúne representantes de diferentes segmentos que integram a cadeia produtiva da carne bovina, como membros da indústria e de organizações do setor, bancos, associações e organizações não governamentais.
Na ocasião, o GTPS apresentou suas propostas à Famasul, à Acrissul e ao Sindicato Rural de Campo Grande, as quais, segundo o presidente da ABPO, sinalizaram futura adesão ao grupo, através de seus respectivos presidentes. Na região Centro-Oeste, apenas a ABPO e a Acrimat participam do grupo, sendo assim, uma reunião fora de sua sede demonstra a atenção que o renomado grupo está dando aos produtores regionais.
Certificação
Outro acontecimento de suma relevância foi a entrega do Cadastro de Compromisso Socioambiental, produzido pela organização não-governamental Aliança da Terra, com apoio do WWF Brasil, Embrapa Pantanal, Sebrae MS, Instituto Biodinâmico e JBS Friboi. O documento vai auxiliar os associados da ABPO no planejamento de suas atividades, reforçando seu compromisso com a produção de carne aliada à conservação ambiental, valorizando suas ações e agregando mais valor à carne bovina orgânica produzida no Pantanal sul-mato-grossense.
A organização não-governamental Aliança da Terra é formada por produtores rurais e surgiu no Mato Grosso, na região do Xingu, tendo seu trabalho atualmente estendido a oito estados do Brasil. A engenheira ambiental Aline Maldonado, representante da entidade, explanou sobre o processo.
“É um prazer muito grande para nós e uma experiência muito importante estarmos agora atuando também em Mato Grosso do Sul. Junto com a Embrapa Pantanal e o WWF Brasil, em junho, visitamos as propriedades rurais, fizemos um levantamento de dados sociais e ambientais, com o intuito de mensurar, pois precisamos quantificar para melhorar, já que número não se discute. Hoje temos o diagnostico, com o qual levantamos os pontos positivos, tudo aquilo que essas propriedades já vem fazendo em relação ao meio ambiente e o que precisa de melhoria, visando a adequação e melhoria socioambiental,  se necessária, dessas propriedades. Temos um compromisso de adequação, no qual os proprietários se comprometem voluntariamente a atender essas solicitações. Depois a Aliança da Terra faz o monitoramento para o cumprimento desse acordo”.
Para Leonardo Leite de Barros, presidente da ABPO, a associação tem crescido muito graças à sua própria organização, mas também às parcerias que têm sido feitas: “Inicialmente resolvemos certificar nossas propriedades tendo como parceiro o IBD - Instituto Biodinâmico. A certificação é um ato basicamente documental, portanto conseguimos em cinco anos coletar uma gama de dados através desse processo. Num segundo momento fizemos parceria com o Sebrae MS, que nos deu oportunidade de contratar a MR Consultoria, que faz em nossas propriedades coletas sistemáticas de dados e arquivamento dos mesmo, para que tenhamos tudo documentado. Agora, em um terceiro momento, fizemos essa parceria com a Aliança da Terra para coletar mais dados e a partir daí criar um novo produto, buscando visibilidade e transparência da nossa carne orgânica para o consumidor final, de forma a oferecer ao consumidor, ao varejo ou ao food service a oportunidade de entrar em cada uma das propriedades produtoras de carne orgânica e acessar todo esse banco de dados sistematizado, para que tenham certeza de quais ativos e passivos ambientais nós temos. A Embrapa Pantanal é outro grande parceiro que acompanhou todo esse processo. Além da visita de fiscais e auditores, montamos também equipes internas para isso, então hoje vemos nossos trabalhadores, nossos vaqueiros, com cadernetas de bolso saindo a campo, empenhados nesse trabalho. E esse novo produto deve ser lançado no ano que vem, a cinco mãos, com todos esses parceiros.”
“O JBS Friboi, maior empresa processadora de carnes do mundo, nascida em Goiânia, também vem se dedicando imensamente à carne orgânica do Pantanal, já que criou a marca Organic Beef, prezando pela preservação do meio ambiente, para distinguir esse produto dos demais e vem investindo muito na promoção dessa marca. Graças a esse acordo mercadológico podemos cuidar do meio ambiente. Outro parceiro de extrema importância é o WWF-Brasil, ONG responsável, que nos entendeu e criou uma relação nova entre o setor produtivo e as ONGs, numa situação de respeito mútuo. Aprendemos muito com eles e eles conosco. E dessa relação de trabalho, com o norteamento deles, para mitigarmos a questão dos impactos ambientais no bioma, é que chegamos onde estamos”, disse Leonardo.
Ambientalistas e produtores
O WWF-Brasil, através do Programa Pantanal para Sempre, também apoia, desde 2003, a produção orgânica certificada realizada pela ABPO, visando o crescimento e o desenvolvimento sustentável da região, como alternativa de produção e preservação do bioma, que é extremamente sensível.
O engenheiro ambiental e ambientalista Michael Becker, diretor do Programa Pantanal para Sempre, do WWF-Brasil, reconheceu a importância do processo, da união dos elos da cadeia produtiva e se disse muito contente com o diferencial não só para a região em si, mas pra o Brasil como um todo.
“O Pantanal é um lugar muito especial não só pela biodiversidade, mas também pela gente que vive nele. Foi com essa gente que cultivamos a ideia da pecuária orgânica certificada desde 2003 e investimos mais de R$ 860 mil nessa idéia, baseada na confiança e na transparência. Temos um acordo de cooperação técnica de longo prazo, desenvolvemos critérios de manejo que vão além da certificação, estando presentes em feiras agropecuárias e orgânicas e vamos à Europa em busca de mercado. Essas são algumas das ações acordadas entre o WWF Brasil e a ABPO. Aprendemos muito uns com os outros desde o início, pois uma coisa nos une: a ideia de que a produção e a proteção do meio ambiente não são coisas adversas ao Pantanal. Queremos que um novo modelo de produção se mantenha e estimule a tradição pantaneira, diante dos desafios que surgem e que crie novas oportunidades na região. Outros parceiros importantes estavam lá desde o começo: JBS Friboi, Embrapa Pantanal e IBD, e novos parceiros estão chegando, como a Aliança da Terra e o Sebrae MS. O apoio da Famasul, da Acrissul, de outros frigoríficos e bancos é fundamental para que a pecuária orgânica certificada possa se expandir na região e ser referência nacional. Só assim podemos garantir que o Pantanal venha a ser a imensidão que não conhece réguas, não tem limites e continua a intentar pela glória e beleza daqueles que o apreciam”, afirmou Becker.

Leia Também