Terça, 20 de Fevereiro de 2018

PREVISÃO

Cardeal diz que Chávez se encaminha a uma ditadura

25 DEZ 2010Por ESTADÃO10h:58

O cardeal venezuelano Jorge Urosa afirmou ontem em entrevista à TV privada Globovisión que não tem a menor dúvida de que o presidente Hugo encaminha o país para uma ditadura de natureza comunista.

"Nesse sentido, o pedido que faço aos que dirigem o governo é que levem em consideração a grande responsabilidade que terão ante a história e ante Deus, se querem impor uma ditadura totalitária que certamente seria algo terrível para a Venezuela", declarou o cardeal.

Anteriormente, Urosa, o único cardeal da Venezuela, considerou que Chávez lidera um "regime comunista, pois o próprio presidente o disse várias vezes".

Em meio a essa percepção da realidade política venezuelana, Urosa rejeitou o uso da violência, "pois não esse não é o caminho e é totalmente prejudicial para o povo que a pratica". Ele também pediu uma "resistência pacífica, que não quer dizer passiva".

"Não sou eu quem tem de dizer como deve ser articulada essa resistência pacífica, pois não sou um agente político", disse o cardeal, que também é arcebispo de Caracas.

Urosa também declarou que a principal referência política que os venezuelanos devem ter na hora de atuar é a Constituição de 1999, que consagra os princípios que devem ser defendidos, como "a liberdade de consciência e expressão e o direito à propriedade, que é algo inato".

Urosa declarou várias vezes durante a entrevista que o "episcopado venezuelano é absolutamente independente, tanto do governismo quanto da oposição". "Trabalhar pela paz é uma obrigação de todo venezuelano, para que possamos ter uma pátria na qual vivemos bem", concluiu.

O governo Chávez e a hierarquia da Igreja Católica vivem em permanente discórdia. Em julho, Urosa teve de ir ao Congresso para dar explicações sobre suas críticas ao governo. Durante o debate de cinco horas, o prelado leu um documento e reclamou da inconstitucionalidade de algumas leis aprovadas pela Assembleia. "O Estado marxista é totalitário e inconstitucional", declarou Urosa. Ele citou várias leis que, em sua opinião, violam a Constituição de 1999: a Lei do Conselho Federal de Governo, a reforma da Lei Orgânica de Descentralização, a Lei Orgânica da Educação, a Lei das Forças Armadas Nacional Bolivariana, a Lei sobre a Organização e Regime do Distrito Federal, o Indepabis (Instituto para a Defesa das Pessoas no Acesso a Bens e Serviços) e a Lei Orgânica de Processos Eleitorais.

Leia Também