Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

ALERTA

Capital teve mais de mil casos de conjuntivite este ano

5 ABR 2011Por KARINE CORTES00h:02

A Secretaria Municipal de Saúde Pública (Sesau) emitiu alerta à população devido ao registro 2.592 casos de conjuntivite viral - inflamação causada por vírus que atinge os olhos e é altamente contagiosa – nos três primeiros meses deste ano. O número preocupa as autoridades em saúde da Capital, pois é 108,8% maior do que os 1.241 verificados entre janeiro e março de 2010. Apesar do índice, a Sesau afirma que não há situação de surto na Capital e emitiu apenas um alerta para os cuidados na prevenção da doença. "Sabemos que o número de notificações deste ano é maior do que em 2010, mas até o momento não identificamos nenhum surto em instituições fechadas", diz o secretário municipal de saúde, Leandro Mazina.

 

Na comparação entre o mês de março do ano passado com o mesmo período de 2011, o aumento no número de pessoas infectadas foi de 123,6%, passando de 419 casos para 937. Mazina explica que esse crescimento não caracterizaria um surto. Segundo ele, isso ocorre quando, por exemplo, numa sala de aula são registrados dez casos da doença e na semana seguinte esse número salta para cinquenta. "Nossos valores ainda correspondem a casos disseminados na cidade. Mas estamos atentos, porque a situação de surto pode se instalar a qualquer momento", enfatizou.

A preocupação das autoridades em saúde de Campo Grande leva em conta o fato de a doença ser altamente contagiosa ocorrendo a transmissão de pessoa para pessoa, principalmente através de objetos contaminados e compartilhados como toalhas, travesseiros e talheres. Por conta disso, a Sesau divulgou informe técnico com intuito de evitar a ocorrência de surto, sugerindo o afastamento dos ambientes coletivos de pessoas acometidas pela conjuntivite por pelo menos sete dias a partir do início dos sintomas.

 

Perda da visão

O diretor técnico do Hospital São Julião, oftalmologista Marcos Piccinin, informou que de dez pacientes atendidos durante o dia, pelo menos três estão com conjuntivite. Ele ressaltou a importância de procurar um especialistas ao suspeitar da doença. "Se não tratada de forma devida a conjuntivite pode comprometer a córnea e diminuir a visão. Uma vez comprometida a visão, não há reversão do caso", afirmou o especialista.

Muitas pessoas acreditam que o contato com pessoas infectadas e compartilhamento de objetos usados por elas é a principal forma de contágio. Mas, o oftalmologista Marcos Piccinin enfatizou que a forma mais comum de contrair a doença é por vias aéreas. "Só de ficar perto de pessoas com conjuntivite e conversar com elas já ocorre a contaminação através da disseminação do vírus no ar", explicou. Os cuidados com a higiene pessoal são fundamentais para evitar o contágio. (Veja mais informações sobre a doença no infográfico)

Leia Também