Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

sexta, 22 de fevereiro de 2019 - 11h18min

Capital tem menor inflação dos últimos 22 meses

8 JUL 10 - 08h:23
ADRIANA MOLINA

A inflação em Campo Grande caiu pela primeira vez em 22 meses após o susto do início deste ano, quando a alta nos preços chegou a 1,34%, em janeiro. Em junho, alimentação mais barata derrubou o Índice de Preços ao Consumidor (IPC-CG), que fechou em alta de 0,09%, cerca de um terço do registrado em maio, que foi de 0,25%. No mesmo mês do ano passado, o índice foi parecido: 0,12%. O acumulado de janeiro a junho é de 3,05% − ainda abaixo da meta prevista pelo Banco Central do Brasil (BCB) para todo o ano, de 4,5%.
Os números comprovam que a medida do governo federal, de aumentar a taxa básica de juros, a Selic, passando de 8,75% para atuais 10,25% ao ano, está gerando bons resultados na economia brasileira. O coordenador do Núcleo de Estudos e Pesquisas Econômicas e Sociais (Nepes) da Uniderp-Anhanguera, Celso Correia de Souza, explica que nesse ritmo, não será necessário chegar aos 11%, como previsto pelo Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom).
“Acredito que não será preciso mexer na taxa básica de juros novamente. Se continuarmos assim, entre setembro e outubro poderemos até ter um cenário de queda da Selic, chegando ao antigo patamar por conta da estabilização da inflação”, pondera. Além da Selic, a trégua das chuvas e clima mais ameno em regiões produtoras de alimentos contribuíram para reduzir o IPC em Campo Grande.
Em junho, o grupo alimentação registrou índice de -0,72%. Hortifrútis, cuja produção tinha sido reduzida pelo excesso de chuvas e carne, que vive momento de entressafra e que por conta disso normalmente teria seu preço elevado, apresentaram contribuições negativas, com fortes quedas principalmente nos preços da beterraba (-18,51%), batata (-18,08%), repolho (-16,49%) e pimentão (-14,20%). Oito cortes de carne bovina caíram expressivamente, entre eles a ponta de peito (-4,60%), o músculo (-4,47%) e o cupim (-3,96%). O pernil suíno e o frango congelado também revelaram quedas nos preços de -0,26% e -1,24%, respectivamente.

Altas
Ficaram mais caros os itens do grupo despesas pessoais (o que registrou a maior alta entre os grupos), alcançando 1,81%. Produtos como cigarros, mensalidades de clubes e papel higiênico subiram 5,67%; 4,96%; e 3,21%, respectivamente. Vestuário e Saúde inflacionaram 0,49% e 0,46%, sendo as maiores altas na calça comprida masculina (3,84%), sapato masculino (2,27%), anti-infecciosos e antibióticos, com índice de 1,13%; e planos de assistência médica, com 1%.
O grupo educação, apresentou inflação moderada, de 0,27%, ocasionada, principalmente, por aumentos nos preços de artigos de papelaria, em torno de 2,56%. Já habitação registrou índice médio de 0,14%, com maiores variações positivas no DVD ou VHS, com 5,29%; na lâmpada elétrica, com 3,36%; e sabão em barra, com 2,35%. Finalmente, o grupo Transportes fechou junho com pequeno aumento de 0,09%, provocado por alta no preço da gasolina, em média de 0,52%.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Em tratamento contra a dengue, menina precisa de doação de plaquetas
SOLIDARIEDADE

Menina precisa de doação de sangue e plaquetas

Smartphone tem diferença  de preço de até R$ 550 na Capital
PESQUISA

Smartphone tem diferença de preço de até R$ 550 na Capital

Solurb tem 15 dias para mostrar cronograma de restauração ambiental
PRADA

Solurb tem 15 dias para mostrar cronograma de restauração ambiental

Homem pega nas nádegas de mulher dentro de ônibus em Campo Grande
ABUSO

Homem pega nas nádegas
de mulher dentro de ônibus

Mais Lidas