Sábado, 16 de Dezembro de 2017

SAÚDE

Capital tem dez novos casos de dengue por dia

11 JAN 2014Por DA REDAÇÃO09h:30

O boletim epidemiológico da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) mostra que entre os dias 1º e 9 de janeiro, 94 casos suspeitos foram notificados nas unidades de saúde da capital. Ou seja, Campo Grande tem média de 10 casos de dengue ao dia neste começo de ano. As informações são de matéria publicada hoje (11) no jornal Correio do Estado. Até agora não há registros de mortes ou de casos de dengue hemorrágica. O total está longe do verificado em janeiro de 2013, quando na primeira semana do mês houve 1.215 notificações, o que representava 173 casos suspeitos diariamente. O primeiro mês do ano passado, quando a Capital e também outros municípios de Mato Grosso do Sul enfrentaram uma epidemia da doença, fechou com 23.421 notificações em Campo Grande, o que equivale a 755 casos suspeitos diariamente.

Mesmo assim, o risco existe. Isso porque, segundo a diretora em vigilância da Secretaria de Estado de Saúde (SES), Bernadete Lewandowski, “ninguém pode garantir se pode ou não ocorrer uma nova epidemia”. Apesar de “até o momento estar tranquilo”, a diretora ressalta que Mato Grosso do Sul está em período de chuvas, o que é “excelente para criadouros do mosquito”.É justamente a união entre chuva e altas temperaturas que favorece a proliferação da doença.

Por isso, além do Poder Público, Bernadete sustenta que a população deve “fazer a sua parte” e combater os focos. “A população tem que entrar em ação. Costumo dizer que quando a gente elimina o criadouro, a guerra é ganha. Ao passo que quando começamos a usar o fumacê, a guerra está perdida, porque começamos a eliminar o mosquito e ele está voando, não se sabe onde está”, comentou. A diretora disse ainda que entre novembro e o começo de dezembro do ano passado, o Estado apresentou aumento na quantidade de notificações da doença, mas que, já no fim do último mês de 2013, houve queda, o que ela atribui ao trabalho “intensivo” de combate nos municípios. A reportagem é de Lucia Morel.

Leia Também