Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, domingo, 09 de dezembro de 2018

TRÂNSITO

Capital registra o fim de semana mais violento com quatro mortes

17 MAI 2011Por Laís Camargo17h:00

A cada 6 segundos uma pessoa morre ou fica gravemente ferida em um acidente de trânsito no mundo. Até o final desta matéria, cerca de 14 pessoas terão morrido vítimas de imprudências. Para a chefe de divisão de educação da Agetran (Agência Municipal de Transporte e Trânsito), Ivanise Rotta, a única explicação para a violência no trânsito é a falta de respeito pelo próximo, o individualismo.

“Falta sensibilidade, o adulto tem que estar consciente do que é certo e o que é errado, pedimos que a população respeite as leis de trânsito, limites de velocidade e álcool são nossos maiores problemas. As pessoas estão morrendo, deixando famílias, e a sociedade é muito prejudicada”, enfatiza Ivanise. Alguns pontos devem ser considerados, principalmente o crescimento da cidade – é impossível querer fazer um mesmo trajeto que levava 10 minutos 5 anos atrás nos dias de hoje.

Segundo Ivanise, a perfeita integração entre fiscalização, boa engenharia e bom comportamento do condutor, podem levar a um trânsito mais seguro. Vários radares estão sendo instalados na cidade, projetos de educação infantil para o trânsito e até blitz educativas vêm somar na ação por paz nas ruas. “A intenção não é multar, é inibir o comportamento errado, sabemos o que é errado, falar ao celular, ficar sem cinto. O avanço do sinal vermelho é inadmissível; tem pedestre, ciclista e pessoas com mobilidade reduzida”, aponta Ivanise. Além disso, ela chama atenção para os ciclistas, que conduzem veículos também e devem seguir as mesmas sinalizações de trânsito dos carros.

Nas estatísticas, a Via Parque aparece como bom exemplo de diminuição de acidentes. Registrados atropelamentos de pedestres, capotamentos e outros acidentes, após a fiscalização eletrônica, nenhuma outra ocorrência surgiu. Com relação ao primeiro quadrimestre de 2010, Campo Grande registrou 29% mortes a menos este ano.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também