Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quarta, 17 de outubro de 2018

Caos aéreo na Europa é o maior desde 11 de setembro

16 ABR 2010Por 21h:17

Londres

 

Uma enorme nuvem de cinzas procedente do vulcão Eyjafjallajoekull, na Islândia, que se espalha pelo céu da Europa, provocou o maior caos aéreo já visto desde os atentados de 11 de setembro de 2001. O fenômeno, que obrigou o fechamento de aeroportos e o cancelamento de milhares de voos dos dois lados do Atlântico, custa US$ 200 milhões ao dia às empresas de aviação.

"Diria que a Europa está experimentando provavelmente sua maior alteração no transporte aéreo desde 11 de setembro (de 2001)", disse um porta-voz da Autoridade da Aviação Civil do Reino Unido. "Em termos de fechamento do espaço aéreo, este é pior do que o de depois de 11 de setembro. A alteração é provavelmente maior que qualquer coisa que já vimos", acrescentou.

Dos 29.500 voos que habitualmente cruzam o espaço aéreo europeu, a Eurocontrol previa somente entre 12 e 13 mil operantes na sexta-feira, enquanto só um terço dos voos transatlânticos estavam pousando no continente.

O espaço aéreo permanece completamente fechado na Irlanda, Bélgica, Holanda, Dinamarca, Finlândia, Estônia, o norte da França (incluindo todos os aeroportos de Paris), algumas zonas da Alemanha (Düsseldorf, Colônia, Hamburgo, Berlim e Frankfurt) e da Polônia (incluído o aeroporto de Varsóvia).

No Reino Unido, não há restrições de voos na Escócia e na Irlanda do Norte. Na Inglaterra e no País de Gales, o espaço aéreo ficará fechado até as 13h local (9h de Brasília) de sábado, de acordo com oficiais da aviação. No entanto, o Serviço Nacional do Tráfego Aéreo do Reino Unido (NATS, na sigla em inglês), afirmou que há uma chance de haver chegadas e partidas nos aeroportos de Liverpool e Manchester, no norte da Inglaterra, por um prazo restrito durante a manhã.

A Suécia e Noruega afirmaram que voos no norte dos países estão permitidos, mas mantiveram o espaço aéreo fechado em ambas as capitais, Estocolmo e Oslo, respectivamente. O Exército americano se viu obrigado a desviar muitos voos, inclusive os que evacuam os feridos do Afeganistão e do Iraque, de acordo com um porta-voz do Pentágono.

Após os ataques de 11 de setembro contra Washington e Nova York, o espaço aéreo americano foi fechado durante três dias e as empresas de aviação europeias tiveram de suspender todos os serviços transatlânticos.

Joe Sultana, diretor de operações da agência de controle aéreo Eurocontrol, afirmou que a situação não tinha precedentes. Segundo a agência, depende de cada país retomar os voos, baseando-se na dissipação ou não da nuvem no espaço aéreo.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também