Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ARTICULAÇÃO

Caneta de Alcides Bernal está sem tinta

Caneta de Alcides Bernal está sem tinta
27/01/2014 00:00 - DA REDAÇÃO


O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), não consegue cumprir a promessa aos aliados e pode se complicar ainda mais em sua longa luta para ampliar a base de sustentação política na Câmara Municipal, segundo reportagem na edição de hoje (27) do jornal Correio do Estado.

O vereador Edson Shimabukuro (PTB) emplacou o engenheiro e ex-secretário municipal de Planejamento de Camapuã, Jean Saliba, para a Superintendência da Agetran (Agência Municipal de Trânsito), mas até hoje não conseguiu a nomeação da equipe técnica. Jean não tem assessores de confiança para tocar a agência.Com isto, a agência continua desmobilizada e sem poder de atuação em sua plenitude, para resolver os problemas do caótico trânsito de Campo Grande.

Esta falta de comprometimento de Bernal com os compromissos políticos desmotivou o secretário municipal de Governo e Relações Institucionais, professor Pedro Chaves. Ele se queixou do isolamento do prefeito e da falta de autonomia para concretizar as negociações políticas. Sem o aval de Bernal, Chaves ficou de mãos atadas para atender as reivindicações de vereadores da oposição em troca da adesão à base aliada.

A irritação de Shimabukuro é exemplo do descaso do prefeito com os vereadores. “A equipe não foi nomeada ainda. Estamos aguardando isso aí, já temos um plano de ação e só estamos esperando (nomeação) para por em prática”, comentou o vereador. “Espero que isso aconteça logo, vai ser bom para nós e para ele”, afirmou Shimabukuro. Mas o prefeito deixou no canto da mesa a lista de nomeação feita pelo novo integrante da base aliada. A reportagem é de Adilson Trindade e Roberta Cáceres.


 

Felpuda


Partido está aos poucos montando a que vem sendo chamada de “chapa do quartel”, pois os pré-candidatos são oriundos da caserna. Há quem diga que os dirigentes da legenda ainda estão querendo pegar carona no “fenômeno Bolsonaro”, esquecendo-se que o presidente, embora vindo da área militar, está na política há 30 anos e o seu programa de governo agradou 57,7 milhões de eleitores. Dizem que tchurminha será obrigada a adicionar mais ingredientes no currículo, senão...