POLÍTICA

Candidatos investem no interior do Estado

Candidatos investem no interior do Estado
11/09/2010 09:11 -


Fernanda Brigatti

Os dois principais candidatos ao governo de Mato Grosso do Sul passaram ontem pelo município de Camapuã. O governador André Puccinelli (PMDB) esteve na cidade pela manhã, onde teve uma reunião política. O ex-governador José Orcírio dos Santos (PT) participou de uma carreata, de uma reunião na Vila Industrial e uma caminhada no centro.
Orcírio ainda passou por Cassilândia, onde integrou uma carreata com cerca de 200 veículos, acompanhado pelo candidato a senador Dagoberto Nogueira (PDT) e o deputado federal em busca da reeleição Vander Loubet (PT).
Além de Camapuã, André Puccinelli teve reuniões políticas em Paranhos e Chapadão do Sul, onde também participou de uma carreata da coligação Amor, Trabalho e Fé. À noite, ele participaria de comício em Costa Rica.
O nanico Nei Braga, do PSOL, passou o dia reunido com candidatos a deputado estadual e federal de seu partido. Hoje, ele continua reunido com o PSOL, segundo informações da assessoria da campanha.
O governador segue ao Sul do Estado e inicia sua agenda em Paranhos, onde participa de uma carreata e uma reunião. À tarde, ele faz campanha em Coronel Sapucaia e em Amambai à noite.
José Orcírio segue para Terenos e Dois Irmãos do Buriti pela manhã. Nos dois municípios está programada a realização de caminhadas. À tarde, o ex-governador vai para Bodoquena e depois visita uma aldeia indígena no município de Miranda. Lá, à noite, ele participa de um comício.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".