Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Candidatos à reeleição misturam agenda

9 AGO 10 - 09h:14
São Paulo

Já assimilada pela sociedade brasileira, a reeleição é reavaliada em cada disputa eleitoral, quando se tornam evidentes incongruências que podem minar a premissa básica da democracia de garantir competição em condições de igualdade entre todos os candidatos. A reportagem acompanhou a agenda e a rotina dos 10 governadores que disputam a reeleição. A constatação é que há uma mistura generalizada da rotina de candidato à de titular do cargo, e boa parte deles se vale do horário de trabalho para fazer campanha.
Não há na Lei Eleitoral nenhum dispositivo que impeça um governador candidato à reeleição de fazer campanha durante o expediente. O que a lei proíbe é que o governador use a máquina administrativa, como carros oficiais e funcionários, em favor da sua campanha. Se o uso da máquina é comprovado, pode ser determinada até a cassação do eventual novo mandato conquistado nas eleições.
“É difícil e complicado definir quando um candidato a governador ou a presidente está agindo de forma ilegal ou deixando de cumprir suas obrigações, uma vez que a lei determina a possibilidade de reeleição sem deixar o cargo”, disse o advogado Fernando Neves, ex-ministro do Tribunal Superior Eleitoral. “Cada um deles deve ter o bom senso de evitar que as atividades de campanha prejudiquem o trabalho no cargo que ocupam.”
Segundo Luiz Carlos dos Santos Gonçalves, ex-procurador regional eleitoral de São Paulo, a maior preocupação da Justiça Eleitoral é quando os candidatos à reeleição não só misturam agendas, mas usufruem das estruturas administrativas, como pessoal e instalações para fazer campanha. Contra a reeleição, ele acredita que “é estranhíssimo” a lei exigir a desincompatibilização somente quando o agente político disputar outro cargo.
“É ruim (a mistura de agendas), mas não é ilícito. As pessoas se conformaram com a reeleição e com a não exigência de desincompatibilização. O único espaço que resta é a crítica cidadã”, afirmou.
Uma nova reforma eleitoral deve uniformizar as regras para a desincompatibilização, pregou o advogado Silvio Salata, da Comissão de Estudos Eleitorais e de Valorização do Voto da OAB-SP. “Se um secretário tem que se desincompatibilizar, o mesmo deve ser exigido de um governador.” Infelizmente, completou ele, a emenda da reeleição “não definiu bem a questão do exercício do mandato na reeleição”.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Senado dos EUA inicia julgamento de Trump
IMPEACHMENT

Senado dos EUA inicia julgamento de Trump

BRASÍLIA

Bolsonaro exonera secretário especial da Cultura, Roberto Alvim

Alvim divulgou vídeo que remete a trechos de discurso de Goebbels
Velejador Jorge Zarif é pego em antidoping a seis meses de Tóquio 2020
EM EVENTO-TESTE

Velejador Jorge Zarif é pego em antidoping a seis meses de Tóquio 2020

DECLARAÇÃO

Embaixada alemã diz se opor a 'qualquer tentativa de glorificar' o nazismo

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião