FICHA

Candidato, Alcides Bernal acumula histórico de derrotas judiciais

Candidato, Alcides Bernal acumula histórico de derrotas judiciais
08/09/2012 00:02 - Celso Bejarano


O mesmo candidato a prefeito de Campo Grande que buscou à Justiça para calar o Correio do Estado sob a alegação de que havia uma manobra com propósito de prejudicá-lo numa pesquisa eleitoral, apresenta um histórico de ações judiciais com o intuito único de ganhar dinheiro. Alcides Bernal (PP) tentou obter indenização de um suposto furto que não conseguiu provar, mesmo sem pagar condomínio do local. Em outra, tentou tomar os terrenos de um casal, que os havia adquirido há duas décadas, e até ganhar dinheiro da Igreja Católica.

Por conta de ações movidas pelo deputado estadual Alcides Bernal, candidato do PP, policiais federais entraram na redação do jornal atrás de uma pesquisa eleitoral que nem sequer havia sido concluída.

Entre 2002 e 2005, o deputado estadual enfrentou duas encrencas judiciais e, em ambas, envolvendo dinheiro, saiu derrotado.

No primeiro caso, ele comprou quatro terrenos que já haviam sido vendidos duas décadas antes e, ainda assim, sem quitar a primeira das 40 parcelas que restavam, moveu ações judiciais contra os verdadeiros proprietários da área.

Já em outra situação, Bernal ingressou com ação contra um condomínio alegando que seu escritório tinha sido furtado. Sem comprovar a queixa, o parlamentar, além de perder a causa, teve de pagar honorários advocatícios. 

Leia mais no jornal Correio do Estado

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".