Segunda, 18 de Dezembro de 2017

ELEIÇÕES

Campos terá de escolher entre pesos-pesados

10 FEV 2014Por FOLHAPRESS00h:00

Com a organização de uma campanha presidencial pela frente, o governador Eduardo Campos (PSB-PE) ainda tem problemas a resolver no próprio quintal: definir seu candidato à sucessão e um nome para tentar o Senado. No caso da vaga para o Senado, há três opções que não têm facilitado a escolha do presidenciável. Dois são pesos-pesados da política local e outro, aliado de Marina Silva, provável vice de Campos. Os favoritos à indicação do governador são o senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), 71, ex-rival e hoje aliado, e o ex-ministro da Integração Fernando Bezerra (PSB), 56. O primeiro ainda não disse se tentará a reeleição ao Congresso, enquanto o segundo quer ser o nome para o governo e não tem demonstrado apreço pelo Senado. Para completar, o PV local apresentou na semana passada o nome do secretário estadual de Meio Ambiente, Sérgio Xavier, 51, apoiado pela Rede, grupo de Marina. O diálogo de Campos com os interessados foi retomado no último final de semana, quando o governador encontrou Jarbas Vasconcelos.

O senador não foi localizado pela reportagem para falar sobre o encontrou. Já Campos se recusou a informar o teor da conversa, mas confirmou que trataram de política. Aliados do senador dizem que ele quer saber quem será o candidato de Campos ao governo antes de se decidir sobre reeleição. Teme, dizem eles, falta de afinidade com o escolhido. Na disputa pela vaga de sucessor do governador aparecem quadros técnicos, como os secretários Tadeu Alencar (Casa Civil) e Paulo Câmara (Fazenda), que poderiam adotar um discurso da "nova política" e deixar o senador desconfortável na chapa. Procurada, a assessoria de Vasconcelos nega que o senador esteja fazendo essa ponderação.

Chapa plural

Bezerra, por sua vez, espera não ser escanteado mais uma vez por Campos na semana passada, chegou a defender a candidatura de Jarbas Vasconcelos ao Senado. Em 2010, o ex-ministro queria ser senador, mas as duas vagas foram ocupadas por PT e PTB. Em 2012, o governador fez Bezerra transferir seu título eleitoral de Petrolina para o Recife, mas acabou escalando Geraldo Julio (PSB), atual prefeito, para a disputa municipal. Em seu favor, Bezerra afirma que o candidato ao governo tem que ser "político". Argumenta que Campos não terá condições de fazer a campanha do sucessor porque terá que promover o próprio nome nacionalmente. "Defendo que o PSB deva ter só a cabeça da chapa, e os demais cargos de Senado e de vice-governador devam ser preenchidos com parceiros da Frente Popular [chapa governista em PE]", disse Bezerra na semana passada.

Baseado neste discurso de "chapa plural", o PV apresentou o nome de Xavier e agora também espera para conversar com Campos sobre isso. "Temos nomes, a discussão começou a ser aberta e queremos discutir. Vamos aguardar o governador", disse o presidente do PV-PE, Carlos Augusto Costa. Xavier disputou o governo contra Campos em 2010, fazendo duras críticas à gestão ambiental do pessebista. No ano seguinte, foi convidado pelo governador para criar a pasta de Meio Ambiente no Estado e entrou no governo. Campos e a cúpula do PSB pernambucano dizem que a situação nos Estados será discutida neste mês, a partir do lançamento do documento que embasará o programa de governo nacional do partido.
 

Leia Também