SAÚDE ANIMAL

Campo Grande vai construir <br> a primeira UPA Veterinário do País, anuncia prefeitura </br>

Campo Grande vai construir <br> a primeira UPA Veterinário do País, anuncia prefeitura </br>
12/07/2012 18:00 - DA REDAÇÃO


A primeira Unidade de Pronto Atendimento Veterinário (UPA) do País será construída no Centro de Controle de Zoonoses (CCZ) em Campo Grande (MS). O pré-projeto arquitetônico da UPA será lançado amanhã (13) pelo prefeito Nelsinho Trad e pela diretora do CCZ, a médica veterinária Júlia Maksoud . O lançamento acontecerá na sede do CCZ, que fica na Avenida Senador Filinto Muller, nº 1.601, Vila Ipiranga.

Conforme a veterinária, a UPA vai prestar atendimento de urgência e emergência às populações canina e felina da Capital, prestando os primeiros socorros. De acordo com ela, a unidade irá oferecer serviços de consultas, orientações, medicação de urgência entre outros. Além disso, contará com uma sala de soroterapia.

Segundo a chefe do Serviço de Controle da Raiva e outras Zoonoses, a veterinária Iara Helena Domingos, a UPA CCZ significa um salto para a assistência da saúde animal. “Hoje, existem pouquíssimas clínicas particulares que atendem em sistema de plantão e o atendimento é caro e oneroso. Agora, os animais terão uma recuperação rápida e, se necessário, serão encaminhados para um hospital veterinário”, contou. Os animais que precisam de cirurgia são encaminhados para os hospitais veterinários da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) ou das universidades particulares que atendem a baixo custo.

(Com informações do Notícias MS)

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".