quinta, 19 de julho de 2018

ranking

Campo Grande tem 8,8 mil empreendedores

8 JAN 2011Por Edivaldo Bitencourt00h:00

Campo Grande, com 8,8 mil empreendedores formalizados, ficou em 9º lugar no ranking nacional entre os municípios com maior número de inscritos no programa Empreendedor Individual (EI), segundo o Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Em Mato Grosso do Sul, 15,3 mil pessoas se formalizaram no ano passado. No País foram 809.416 pessoas cadastradas.

Segundo dados atualizados do último dia 4 de janeiro, o Empreendedor Individual (EI) fechou 2010 com 809.416 mil pessoas cadastradas no programa. Os estados com maior número de inscrições são São Paulo (163.679), Rio de Janeiro (107.757), Minas Gerais (77.615), Bahia (77.336) e Rio Grande do Sul (44.746).

Com 8.866 empreendedores formalizados, a Capital sul-mato-grossense é a 9ª em número de formalizações, só ficando atrás de São Paulo (SP), com 46.656; Rio de Janeiro (RJ), 41.043; Salvador (BA), 29.543; Brasília (DF), 15.579; Belo Horizonte (MG), 15.023; Fortaleza (CE), 11.377; (GO) Goiânia, 9.648; Curitiba (PR), 8.902; Campo Grande (MS), 8.866; e na frente de Recife (PE), com 8.238.

Em Mato Grosso do Sul, após Campo Grande, o maior número de pessoas formalizadas foi registrado em Dourados (842), Três Lagoas (441), Corumbá (418) e Ponta Porã (283). Os lanternas no ranking são Figueirão (3) e Tacuru (3).

 Longe da meta
No entanto, o Brasil ainda não atingiu a meta do Governo federal, que era 1 milhão de empreendedores individuais. De acordo com o secretário de Comércio e Serviços (SCS), Edson Lupatini, apesar disso, o programa é um sucesso. "De toda forma, o Brasil está entrando em um novo paradigma. A consolidação dessa cultura do empreendedorismo formal facilita e muito a implementação desse modelo para empresa de qualquer porte, principalmente para as micro e pequenas empresas", comentou.

O programa foi lançado em 1º de julho de 2009 com o objetivo de legalizar aqueles que trabalham por conta própria, têm faturamento de no máximo R$ 36 mil por ano e possuem até um empregado contratado que receba salário mínimo ou piso da categoria. O interessado, também, não pode ter participação em outra empresa como sócio ou titular.

Leia Também