Domingo, 25 de Fevereiro de 2018

Campo Grande está entre as quatro capitais mais desenvolvidas do País

27 SET 2010Por 07h:58

Campo Grande figura na quarta colocação entre as capitais brasileiras com melhores indicadores em saúde e educação e maior dinamismo no mercado de trabalho formal em 2007. O ranking da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) de Desenvolvimento Municipal classifica cidades, capitais e estados. Neste último quesito, Mato Grosso do Sul, com suas 78 cidades, aparece na décima colocação.  
A Capital só perde para Curitiba (1º  colocada), Vitória (ES), segunda; e São Paulo, a terceira capital com melhor avaliação.
Entretanto, no quesito Cidades, Araraquara (SP) está no topo do ranking das cidades mais desenvolvidas do País, segundo o Índice Firjan de Desenvolvimento Municipal.
Também num patamar de alto desenvolvimento em relação à realidade nacional, as igualmente paulistas Indaiatuba e Vinhedo ficaram em 2º e 3º, respectivamente.
Dos 15 mais altos índices municipais, 14 estavam, em 2007, em São Paulo e apenas um no Rio: Macaé (11º lugar).
Lançado em 2005, o IFDM abarca três dimensões do desenvolvimento (emprego e renda, saúde e educação) e se assemelha ao IDH (Índice de Desenvolvimento Humano). Usa indicadores oficiais como mortalidade infantil, consultas de pré-natal, abertura de vagas formais e matrículas no ensino infantil.
Líder em 2006, São Caetano do Sul caiu para 13º pela piora do mercado de trabalho. “As 15 primeiras estão muito parelhas e qualquer evolução muda a posição”, diz Luciana Sá, diretora de Desenvolvimento Econômico da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro).
Todas as cidades no topo estão no interior. Mais bem classificada entre as capitais, Curitiba surge em 47º lugar, quando muda o critério para “cidades”.
O País, em linhas gerais, avançou 1,4%, na esteira principalmente da evolução em educação (alta de 4,4%).
Das 500 cidades com pior desenvolvimento, 413 estavam no Nordeste. Já São Paulo concentrava 263 das 500 mais desenvolvidas. A única cidade da região Norte entre as 500 primeiras é a paraense Parauapebas (311ª), em razão dos empregos na mineração.
Pouco menos de um terço da população (56 milhões de pessoas ou 31%) vivia, em 2007, em cidades com alto grau de desenvolvimento, contra só 0,9% em 2000. O grande salto se deu com o ingresso de Rio e São Paulo – 17 milhões vivem nas duas cidades –, entre 2000 e 2005, no rol dos municípios mais desenvolvidos graças à melhora do emprego e renda.

Leia Também