Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande é a 20ª cidade do País em consumo, mostra pesquisa

4 MAI 10 - 07h:41
Rosana Siqueira

Campo Grande subiu uma posição no ranking de consumo entre as principais cidades brasileiras, segundo estudo divulgado ontem pela empresa IPC Target. A Capital sul-mato-grossense passou de 21ª para 20ª no ranking, com o IPC (índice de potencial de consumo) calculado em 0,50760. Com a classificação, Campo Grande supera capitais como Natal, Florianópolis e Cuiabá e cidades de grande porte como Ribeirão Preto e Londrina.

O levantamento mostra que os 50 maiores municípios brasileiros responderão por 45,8% do consumo nacional, em 2010. No ano passado, estes municípios eram responsáveis por 43%. São Paulo e Rio de Janeiro lideram o ranking do País e ganharam participação no índice entre 2009 e 2010, fato que não ocorria há muito tempo, devido a descentralização do consumo das capitais para o interior, na época. Neste ano, São Paulo responderá por 9,64% e o Rio de Janeiro por 5,87% do consumo nacional – no ano passado os indicativos eram de 8,53% e 5,31%, respectivamente.

Em 2010, Brasília passa a ser a 3ª maior cidade brasileira, com o IPC estimado em 2,17749, superando Belo Horizonte (com o índice de 2,13816), que cai para a 4ª posição. Destacam-se ainda Porto Alegre (voltou a ser a 7ª cidade do País, com uma participação de  1,47591 – estava em 8ª no ano passado), Campinas (SP) passa a ocupar a 9ª posição, com o IPC previsto de 0,99275 (saltando da 13ª, com  0,84645, em 2009) e Manaus, que subiu para 11º  lugar, com índice previsto de 0,86110 – em 2009, estava em 14º.

Fortaleza e Recife mantêm-se entre as 10 maiores, mas com leve declínio,  O mesmo ocorreu com Goiânia e Belém (11ª e 14ª do ranking, respectivamente).

Classes
O estudo mostrou também que a classe C será responsável por 27,7% de tudo o que será consumido no Brasil em 2010. Os dados mostram que essa parcela da população vai absorver R$ 579,7 bilhões do consumo nacional, “elevando seu poder de compra em relação a 2009, quando essa cifra era de R$ 532,2 bilhões”, observa o diretor da empresa responsável pelo estudo, Marcos Pazzini.

Ele afirma, porém, que a classe C tem grande tendência de segmentação. A C2, por exemplo, consumirá R$ 211,4 bilhões – comportamento mais próximo dos parâmetros de consumo das classes D e E, de menor poder aquisitivo e base da pirâmide social.
Já as classes C1 e B2, que representam a classe média, consumirão no total R$ 863,9 bilhões. A primeira somará R$ 368,2 bilhões, enquanto a B2 responderá por 41,4% (R$ 495,7 bilhões) do total previsto para o País em 2010. (RS)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Prefeitura inicia aplicação de borracha em pista do Ayrton Sena
CAMPO GRANDE

Prefeitura inicia aplicação de borracha em pista do Ayrton Sena

Rotatória da Rua da Divisão dá lugar a semáforo
CAMPO GRANDE

Rotatória da Rua da Divisão dá lugar a semáforo

Marum diz que será 'general de guerra' em campanha de Puccinelli
DE OLHO EM 2022

Marum diz que será 'general de guerra' de Puccinelli

RETOMADA DE OBRAS

Governo de MS e futuros donos da UFN3 se reúnem nesta tarde para definir datas

Petrobras e russos já realizaram conversa pela manhã

Mais Lidas