Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campanha pode esvaziar Assembleia

31 JAN 10 - 07h:34
O deputado Marquinhos Trad prevê o esvaziamento das sessões da Assembleia Legislativa a partir de maio. “Todo ano eleitoral reduz ou trava os trabalhos no Legislativo, e aqui não deve ser diferente, muito embora vão dizer que não vai atrapalhar em nada”, declarou. A avaliação de Marquinhos não encontra eco nos seus pares. Para Ary Rigo, a campanha eleitoral não prejudica os trabalhos na Casa, por dois motivos: “A Capital fica no meio do Estado, então, é possível se deslocar para qualquer município no período da tarde ou a noite e no dia seguinte estar aqui para participar da sessões”, observou. “Além disso, em ano eleitoral, as matérias em tramitação diminuem em número e em importância, porque a lei eleitoral restringe bastante”, argumentou. Rigo lembrou que, em ano de eleição, não se pode criar cargos, nem projetos que criam ou aumentam despesas. Para Onevan de Matos, o presidente da Assembleia, Jerson Domingos (PMDB), pode reduzir o número de sessões a partir de 15 de setembro, “se houver necessidade”. Os candidatos costumam intensificar a campanha nas últimas semanas antes das eleições. “Às vezes, nos últimos dias da campanha, acontece de a presidência diminuir (o número de sessões semanais) para que os deputados possam finalizar a campanha. Mas até 15 de setembro acho que é normal”, opinou. Segundo Onevan, como as sessões são de terça a quintafeira, sempre no período matutino, é possível conciliar a atividade parlamentar e a campanha eleitoral. “A campanha em si são, na verdade, 60 dias – agosto e setembro. Julho é o mês de preparação”, observou. “São dois dias e meio de sessão. Dá para fazer um trabalho normal, como sempre foi feito. Não há necessidade de reduzir o número de sessões”, avaliou. “Nossas viagens geralmente são nos finais de semana”, comentou Professor Rinaldo. “É possível conciliar, cumprir com nosso papel nos dias de sessões e agendar compromissos de campanha nos outros dias.” No entanto, o trabalho parlamentar não se restringe à participação nas sessões. A votação de projetos em plenário depende do andamento das matérias nas comissões, onde devem ser analisados os aspectos jurídico, constitucional e de interesse público. “As comissões funcionando bem, o plenário é rápido”, comentou Onevan. (MM)
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Mato Grosso do Sul lidera ranking de aumento de queimadas no País
DADOS DE SATÉLITE

MS lidera ranking de aumento de queimadas no País

Com salário de até R$ 26 mil, concurso atrai candidatos de todo o Brasil
RECORDE DE INSCRITOS

Com salário de até R$ 26 mil, concurso da Saúde atrai candidatos de todo o Brasil

DESABAFO

'O vício faz parte dos buracos que a gente tem na alma', declara Fábio Assunção

Carro capota às margens <br>de estrada e motorista morre
ACIDENTE

Carro capota às margens de estrada e motorista morre

Mais Lidas