CIDADES

Caminhonete capota após colisão na Zahran e quatro ficam feridos

Caminhonete capota após colisão na Zahran e quatro ficam feridos
24/05/2010 07:21 -


Vânya Santos e Karine Cortez

Quatro pessoas ficaram feridas num acidente por volta das 11h de ontem, no cruzamento da Avenida Eduardo Elias Zahran com Rua Sebastião Lima, no Bairro Monte Líbano, em Campo Grande. Equipe da Companhia Independente de Polícia Militar de Trânsito (Ciptran) esteve no local, mas não soube informar qual dos condutores envolvidos na colisão teria desrespeitado a sinalização semafórica, que proibia a travessia naquele momento.

Conforme a polícia, Ana Luzia Lima, 40 anos, conduzia uma caminhonete Hillux pela Avenida Eduardo Elias Zahran sentido shopping/bairro, quando colidiu com o veículo Peugeot conduzido por Giodani Pontes da Silva, de 23 anos, que trafegava pela Rua Sebastião Lima, sentido centro/bairro.

Depois da colisão, a caminhonete tombou no canteiro central da avenida. Já o Peugeot ficou bastante danificado. De acordo com o Corpo de Bombeiros, as condutoras e os jovens Júnior Garcia e Rafafel Paim – que estavam no carro de passeio – sofreram ferimentos leves e foram levados para o posto de saúde do Bairro Tiradentes. Apenas um dos rapazes teve que ser encaminhado para a Santa Casa. A condutora e os passageiros do Peugeot voltavam de uma univerdade particular, onde fizeram o concurso para o Instituto Federal de Mato Grosso do Sul (IFMS).
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".