Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

segunda, 18 de fevereiro de 2019 - 19h37min

Câmara aprova aumento nos royalties do petróleo

12 MAR 10 - 07h:45
A Câmara dos Deputados aprovou – por 369 votos a favor, 72 contra e duas abstenções – na noite de anteontem a emenda em projeto de lei que prevê aumento de 825,37% no repasse dos royalties do petróleo aos municípios de Mato Grosso do Sul. A matéria também cria o regime de partilha para os blocos do pré-sal ainda não licitados. Os cofres municipais vão receber R$ 95,304 milhões/ano após aprovação do texto pelo Senado Federal. A emenda beneficia os estados não produtores de petróleo, entre eles Mato Grosso do Sul, já que após preservada a parte da União nos royalties e na participação especial, o restante será dividido entre estados e municípios segundo os critérios dos fundos constitucionais (FPM e FPE). Por isso, toda a bancada sulmato- grossense votou a favor da emenda na noite de anteontem. Com esse resultado, os prefeitos decidiram ficar mobilizados até a votação no Senado Federal. De acordo com o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Beto Pereira, a intenção é aprovar o texto até as eleições de outubro e garantir o aumento da receita o mais breve possível. Segundo levantamento da Confederação Nacional dos Municípios (CNM), os royalties e participação especial em 2009 somaram 22,6 bilhões. Desse valor, R$ 5,9 bilhões foram destinados aos municípios, outros R$ 5,9 bilhões aos estados e o restante ficou com a União. Com a emenda 387/2009, o valor subirá para R$ 6,6 bilhões e será distribuído de imediato, segundo o presidente da CNM, Paulo Ziulkoski. Na redação da emenda consta que “royalties e participações especiais, oriundos dos contratos de partilha de produção e de concessão de que trata a Lei 9.478, de 6 de agosto de 1997, quando a lavra ocorrer na plataforma continental, mar territorial ou zona econômica exclusiva, será dividida entre Estados, Distrito Federal e Municípios”. É esta redação que faz com que os royalties das explorações atuais sejam distribuídos entre municípios e estados não produtores de petróleo. De acordo com Ziulkoski, o valor a ser repassado vai aumentar, conforme for crescendo a produção em alto-mar e no pré-sal. Em Mato Grosso do Sul, todas as localidades vão receber mais pelos royalties. O valor total do Estado saltará de R$ 10,299 milhões para R$ 95,304 milhões, um ganho de R$ 85,005 milhões, de acordo com levantamento da CNM. Argumentos Para o deputado Humberto Souto, não se pode dizer que a emenda sobre a divisão dos royalties é da oposição, pois parlamentares de vários partidos apoiaram a iniciativa. “É uma questão de justiça. O petróleo é da União e essa distribuição já deveria ter sido feita”, afirmou. De acordo com o deputado Ibsen Pinheiro, autor da emenda 387/09, a aprovação da emenda demonstra que estão superadas as divisões ideológicas entre esquerda e direita. “É justo que o petróleo explorado pertença a todos os brasileiros, pois todos somos iguais perante a lei”, disse. Segundo o líder do PPS, Fernando Coruja (SC), autor do destaque que permitiu a votação da emenda, a nova regra inverte a concentração de recursos, “pois permite que os municípios com menos dinheiro participem da riqueza do petróleo”. Levantamento O estudo elaborado pela Consultoria Legislativa da Câmara sobre a capitalização da Petrobras estima que a exploração do pré-sal, descontados os royalties e o custo da extração, pode gerar receitas líquidas de US$ 230 bilhões, supondo um custo de extração duas vezes maior que o atual e valor médio de venda de US$ 70 o barril durante o período de exploração dos 5 bilhões de barris, sem correção monetária. No entanto, o valor médio de venda do barril de petróleo pode ser de US$ 95,2 entre 2010 e 2015, segundo estatísticas da Energy Information Administration, órgão oficial de informações estatísticas de energia do governo americano. Com esse valor médio, a receita líquida da Petrobras com o direito de exploração da União seria de US$ 344 bilhões.
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Arrase na sobremesa com esta torta de limão
IRRESISTÍVEL

Arrase na sobremesa com esta torta de limão

CRISE NO GOVERNO

Oposição quer que Bebianno preste esclarecimentos sobre laranjas ao Congresso

Fácil e rápida, carne de panela de pressão é deliciosa
PRATICIDADE

Fácil e rápida, carne de panela de pressão é deliciosa

Justiça determina que Agesul retire escombros de ponte que caiu sobre rio
LIMINAR

Justiça determina que Agesul retire escombros de ponte que caiu sobre rio

Mais Lidas