Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Câmara ameaça investimento de R$ 200 milhões na Capital

30 ABR 10 - 02h:56
Vânya santos

Em meio a debate para tentar aumentar o duodécimo, vereadores travam investimento de R$ 200 milhões, que seria feito por um grupo mexicano, em Campo Grande. A Capital disputa com São José dos Campos, interior de São Paulo, para atrair a construção de 3.100 casas, que devem gerar pelo menos dois mil empregos diretos e manter outros 30 mil. No entanto, a efetivação do investimento depende da aprovação de um projeto complementar, que tornará viável a opção por Campo Grande.
Coincidência ou não, na mesma semana em que a Câmara Municipal pleiteia aumento de 0,5% –  restabelecendo os 5% – no duodécimo (que foi reduzido por força de Proposta de Emenda Constitucional, no ano passado), os vereadores se recusaram a votar em regime de urgência o projeto que atrairia os investidores. O grupo mexicano, com sede em São Paulo, decide em breve a cidade onde fará o investimento milionário. Se Campo Grande for a escolhida, as 3.100 casas serão construídas na região do Bairro Paulo Coelho Machado, na saída para São Paulo, onde o grupo já adquiriu uma área.
A Lei Complementar 267/2010, de 28 de abril, institui o plano de operação urbano consorciado para qualificação urbanística e ambiental das regiões Lagoa, Anhanduizinho e Bandeira. Informações repassadas pela prefeitura dão conta de que a proposta altera basicamente dois pontos na lei municipal.
Atualmente, só é permitida a construção de 25 unidades habitacionais por condomínio, na região onde o grupo quer se instalar, sendo assim, os investidores teriam que construir 124 pequenos condomínios, o que tornaria o empreendimento inviável. A lei complementar do Executivo altera a quantidade, que passaria de 26 a 250 casas por condomínio, permitindo que o grupo construa algo em torno de 18 a 20 complexos habitacionais.
Outra mudança proposta pela lei seria com relação ao tamanho mínimo do terreno, que passaria de 360 metros quadrados para 250.

Exigências
Conforme a administração municipal, não haverá contrapartida da prefeitura, que exigiu que o grupo mexicano faça obras de infraestrutura na região do Bairro Paulo Coelho Machado, como asfalto, rede de esgoto e drenagem, além da construção de uma via de acesso à Avenida Gury Marques para desafogar a Avenida dos Cafezais, que atualmente é a única pista asfaltada, que liga o bairro à BR-163.
Os condomínios habitacionais atenderiam à demanda de casas existente em função do terminal intermodal de cargas e do polo industrial sul, que está sendo implantado próximo às Moreninhas. A previsão é de que mil casas populares sejam construídas nas imediações do polo industrial, mas os imóveis do condomínio atenderiam as famílias com poder aquisitivo um pouco maior.

Complexo
O chefe do gabinete da presidência da Câmara Municipal, André Scaff, explicou que a lei complementar foi encaminhada na tarde de quarta-feira (28), com o pedido de que fosse votada durante a sessão de ontem, no entanto, isso não ocorreu porque os vereadores não tinham conhecimento do contexto da proposta e julgaram o assunto complexo para ser votado um dia depois do seu recebimento. “Projeto dessa monta precisa de mais tempo para ser apreciado. Pelo menos uma semana”, adiantou.
André disse ainda que a lei está tramitando na Comissão de Constituição, Justiça e Redação e que posteriormente será encaminhada para apreciação dos membros da Comissão de Obras. A previsão é que a proposta entre em pauta na próxima semana. Porém, a programação ameaça prejudicar a atração do investimento milionário para Campo Grande.
A esperança do poder público municipal é de que a Câmara vote a lei complementar na manhã de hoje, durante sessão extraordinária, convocada para apreciação do projeto de reajuste dos serviços públicos do município.
Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Delegacia passa a atender em novo endereço a partir desta quarta-feira
FIQUE ATENTO!

Delegacia assa a atender em novo endereço a partir desta quarta-feira

CCJ da Câmara adia votação da PEC da segunda instância
BRASÍLIA

CCJ da Câmara adia votação da PEC da segunda instância

Porto Murtinho entra em situação de emergência por conta de erosão em barragem
DECRETO

Porto Murtinho entra em emergência por conta de barragem

Estados discutem mudanças em regras para cobrança do ICMS
TRIBUTO

Estados discutem mudanças em regras para cobrança do ICMS

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião