Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

Calor pede cuidados com o ar-condicionado

Calor pede cuidados com o ar-condicionado
29/01/2010 01:43 - FERNANDO MIRAGAYA, AUTO PRESS


Como aparentemente o aquecimento global decidiu passar o verão no Brasil, arcondicionado se tornou um item quase obrigatório nos automóveis em boa parte do país. E seu funcionamento cada vez mais frequente e necessário. Mas o equipamento sempre foi envolto por muitos mitos e verdades em relação ao seu funcionamento. Desde como aproveitar melhor seu rendimento e evitar desgaste ou consumo maior do carro, até a questão de limpeza dos dutos e do filtro. Só que o ar-condicionado reúne dicas mínimas e simples que o próprio motorista/usuário pode seguir, verificar e diagnosticar no dia a dia. A começar pelo acionamento do sistema ao ligar o carro. Quando o veículo ficou exposto ao sol, o ideal é colocar o equipamento na posição de recirculação de ar – fechada – para que o habitáculo esfrie mais rapidamente. Além disso, os especialistas garantem que, com o carro parado, não há qualquer mal em deixar o vidro aberto, só que, no máximo, por dois minutos. “Ajuda para que o ar gele mais rápido depois que o veículo ficou muito tempo no sol”, garante Marco Botta, supervisor técnico de pós-venda da Peugeot. “Nessa situação, tudo irradia calor: folha do teto, painéis e bancos. A janela aberta ajuda a extrair um pouco desse calor”, faz coro Eduardo Grassiotto, gerente de pós-venda da Citroën. Quanto à sobrecarga de ligar o carro com o ar ativado é um dos mitos que sobrevivem aos tempos das centrais eletrônicas. Nos modelos sem injeção, realmente virar a chave com o sistema acionado sacrificava bateria e motor. Hoje, o próprio computador que gerencia o automóvel se prepara para tais situações. Ou seja, ao ligar o motor, o ar, mesmo ativo, só entra em funcionamento de cinco a 10 segundos depois. O mesmo ocorre com premissas de que o ar diminui a eficiência. É fato que o equipamento rouba até 10 cv do motor, mas em diversas situações a central alivia o sistema. “Em caso de ultrapassagem, por exemplo, o sistema percebe a aceleração maior e desliga o ar por um tempo”, exemplifica Reinaldo Nascimebeni, supervisor de serviços técnicos da Ford. Depois que o interior gelar, o ideal é andar sempre com a circulação aberta – a não ser em ambientes poluídos, como túneis, estradas de terra e atrás dos famigerados caminhões e ônibus desregulados. Uma maneira de renovar sempre o ar dentro do veículo. “A circulação fechada usa sempre o mesmo ar, o que pode ocasionar problema de odores. É sempre bom misturar ar fresco”, receita Jomar Napoleão, vice-diretor do Comitê de Veículos de Passeio da SAE – Sociedade de Engenheiros da Mobilidade. Um ar viciado que pode ser ruim também para alérgicos e portadores de doenças respiratórias. “Se o carro está muito sujo e empoeirado, os ocupantes vão aspirar ainda mais poeira. Entre um dia e outro deve-se sempre renovar este ar”, aconselha o médico João Negreiros Tebyriçá, vice presidente da Asbai – Associação Brasileira de Alergia. A falta de limpeza do sistema pode causar outros problemas. Recomenda-se verificar a cada seis meses o filtro de ar, que, na verdade, é um filtro de pólen, que tem orifícios maiores. O filtro sujo pode comprometer a ventilação e a eficiência do equipamento. “O ar é uma geladeira. Só que ele precisa de ventilação e a inspeção regular do filtro facilita a identificação se o sistema está obstruído, seja por poeira, poluição ou fungo”, explica Julio Coupe, gerente de Serviços da General Motors. O que pode comprometer a saúde mais uma vez. “A não limpeza pode levar a uma infestação de fungos nos dutos, provocar crises alérgicas ou até ser um fator causador de alergia”, alerta Tebyriçá, da Asbai. Os fungos são um dos problemas do dispositivo. E os odores ruins podem ser um sinal. O sistema, aliás, naturalmente forma água na condensação, que escorre pelos pequenos tubos externos do equipamento. Assim que se desliga o carro em um ambiente fechado, como uma garagem, por exemplo, aquela água continua a minar, o que pode facilitar a formação de fungos. Um conselho interessante para minimizar esse risco é desligar o ar e manter apenas a ventilação dois minutos antes de chegar ao destino com o veículo. “O habitáculo continua gelado e, na hora que for desligar o carro, o sistema está seco, sem risco de formar fungos”, orienta Nascimebeni, da Ford.

Felpuda


Prefeitura de município do interior de MS recebeu recomendação do Ministério Público do Estado no sentido de exonerar servidores comissionados, livres do cartão de ponto, que são parentes de secretários da administração e de vereadores. O nepotismo se tornou um excelente “negócio” por lá, e se até o dia 6 de agosto as devidas providências não forem tomadas, medidas serão adotadas, como ação por improbidade administrativa. Tem gente que não aprende mesmo, né?