Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

ECONOMIA

Caixa pode integrar uso do cartão com Bradesco e Banco do Brasil

Caixa pode integrar uso do cartão com Bradesco e Banco do Brasil
10/08/2010 04:37 -


São Paulo

A Caixa Econômica Federal informou ontem que estuda integrar o uso de seus caixas eletrónicos com Banco do Brasil e Bradesco. Esses dois últimos já têm os sistemas integrados para o uso dos equipamentos, mas a oferta ainda não é generalizada no País. BB e Caixa também são parceiros.
De acordo com o presidente do BB, Aldemir Bendine, o uso vai garantir redução de custos para as instituições, além de comodidade para os clientes. Os estudos para a integração do sistema deve estar concluído em 30 dias, não há data para a medida entrar em vigor.
O anúncio da integração dos caixas foi feito na mesma tarde em que Banco do Brasil e Bradesco formalizaram a entrada da Caixa na nova bandeira de cartões Elo, lançada pelas duas instituições em abril. Os bancos esperam usar a escala dos bancos para repassar ganhos de sinergia aos consumidores.
Além de cartões de crédito, a nova bandeira oferecerá serviços de débito e pré-pago   – como vale-alimentação e vale-combustível. A Elo surge para ter forte atuação nas classes C, D e E e acompanhar o trabalho de bancarização das três instituições. Juntas, as três somam mais de 100 mil clientes.
A ideia é que o primeiro cartão esteja disponível em outubro deste ano. A expectativa é atingir 15% do mercado de cartões em cinco anos.
A Caixa terá um terço de participação na holding que administrará a empresa. BB e Bradesco terão outros um terço cada. O controle ficará com o Bradesco.
No memorando assinado hoje, os três bancos também anunciaram que estudam aumentar a participação de hoje 1,14% da Caixa na Cielo, que tem Bradesco e BB com as maiores participações – 28,65% cada.

Felpuda


A continuar disparando tantas críticas ácidas contradizendo o seu partido, que em nível nacional ganhou até um ministério, político cá dessas bandas poderá ser colocado de escanteio e, se continuar nessa cruzada nada palatável para as lideranças, ser convidado gentilmente a “procurar o caminhão do qual caiu”, como se diz no popular. Os comentários são de que o dito-cujo age assim mais para ganhar holofotes. Esqueceu-se, pelo que se vê, que poderá ocorrer curto-circuito. Ui!