ECONOMIA

Caixa pode integrar uso do cartão com Bradesco e Banco do Brasil

Caixa pode integrar uso do cartão com Bradesco e Banco do Brasil
10/08/2010 04:37 -


São Paulo

A Caixa Econômica Federal informou ontem que estuda integrar o uso de seus caixas eletrónicos com Banco do Brasil e Bradesco. Esses dois últimos já têm os sistemas integrados para o uso dos equipamentos, mas a oferta ainda não é generalizada no País. BB e Caixa também são parceiros.
De acordo com o presidente do BB, Aldemir Bendine, o uso vai garantir redução de custos para as instituições, além de comodidade para os clientes. Os estudos para a integração do sistema deve estar concluído em 30 dias, não há data para a medida entrar em vigor.
O anúncio da integração dos caixas foi feito na mesma tarde em que Banco do Brasil e Bradesco formalizaram a entrada da Caixa na nova bandeira de cartões Elo, lançada pelas duas instituições em abril. Os bancos esperam usar a escala dos bancos para repassar ganhos de sinergia aos consumidores.
Além de cartões de crédito, a nova bandeira oferecerá serviços de débito e pré-pago   – como vale-alimentação e vale-combustível. A Elo surge para ter forte atuação nas classes C, D e E e acompanhar o trabalho de bancarização das três instituições. Juntas, as três somam mais de 100 mil clientes.
A ideia é que o primeiro cartão esteja disponível em outubro deste ano. A expectativa é atingir 15% do mercado de cartões em cinco anos.
A Caixa terá um terço de participação na holding que administrará a empresa. BB e Bradesco terão outros um terço cada. O controle ficará com o Bradesco.
No memorando assinado hoje, os três bancos também anunciaram que estudam aumentar a participação de hoje 1,14% da Caixa na Cielo, que tem Bradesco e BB com as maiores participações – 28,65% cada.
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".