PARAGUAIO

Cabañas vai jogar por clube de SP

Cabañas vai jogar por clube de SP
15/03/2014 00:00 - BAND


O paraguaio Cabanãs vai voltar a jogar futebol. E o novo time do atacante é o Tanabi, que disputa a segunda divisão do Campeonato Paulista. O presidente do clube, Irineu Alves, viaja neste fim de semana para o Paraguai, levando o contrato para ser assinado por Cabanãs. O acerto, porém, é para apenas quatro partidas.

Em janeiro de 2010, o carrasco do Flamengo na Libertadores de 2008, levou um tiro na cabeça durante um assalto a um bar na Cidade do México. Na época, o paraguaio defendia o América-MEX. Desde então, nunca mais jogou em alto nível.

Primeiro tentou retomar a carreira em 2012, no 12 de Octubre, que o revelou, da terceira divisão do Paraguai. O reinício não deu certo, apesar do acesso, e o atacante acabou no General Caballero, da Segundona. No novo clube, porém, também não teve sucesso e praticamente não atuou.

Recentemente, o atacante foi localizado em Itaguá, a 30 km de Assunção, capital do Paraguai. Pobre, bem longe da fartura do tempo em que era titular da seleção paraguaia, Cabanãs passou a trabalhar na padaria da família. O jogador acusou a ex-mulher de ter tirado todo seu dinheiro.

A nova chance agora aparece no modesto Tanabi, homônimo da cidade que o abriga. O clube que se notabilizou nos últimos anos por contratar veteranos ou até jogadores aposentados, como o meia Marco Antônio Boiadeiro. Viola e Túlio também já passaram pelo time, que acertou o empréstimo de um jogador do Gavião Kyikatejê, equipe de índios do Pará. O reforço chega após o fim do paraense.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".