Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

BRASIL/MUNDO

Bruno é hostilizado por multidão e dá risadas

Bruno é hostilizado por multidão e dá risadas
23/07/2010 10:53 -


Menos de 30 minutos após chegarem ao Juizado da Infância e Juventude de Contagem (MG), o goleiro Bruno e mais dois suspeitos pelo desaparecimento da estudante Eliza Samudio deixaram o local sem prestar depoimentos. Segundo o advogado Ércio Quaresma, que defende o atleta e o amigo dele, Luiz Henrique Romão, o Macarrão, o silêncio do grupo motivou a abreviação da audiência prevista para apurar a participação do menor J., primo do jogador, no crime.
“Não tem o que falar, não tem o que fazer aqui”, disse Quaresma. Por volta das 14h, tanto Bruno quanto Macarrão e o ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, haviam deixado o local para retornar ao presídio de Contagem. Apenas Sérgio Rosa Sales, também primo de Bruno, prestou depoimento ao juiz Elias Charbil Abdou Obeid, segundo a assessoria de imprensa do Tribunal de Justiça de Minas Gerias (TJ-MG). Por volta das 15h, Sérgio deixou o local.
Bruno foi o primeiro a deixar o prédio, às 13h50min. Sorrindo, o jogador foi hostilizado pela multidão de curiosos. Questionado sobre os motivos do sorriso do goleiro, Quaresma afirmou que se trata da confiança na absolvição. “Ele tem certeza de que a Justiça vai prevalecer”,

Felpuda


O sumiço de algumas figurinhas carimbadas da política não acontece em virtude da necessidade de isolamento como uma das formas de prevenção à pandemia. Em verdade, seria porque não têm mesmo o que e a quem falar. Com o advento das redes sociais, quem acha que fazer campanha eleitoral continua como na época do “eu prometo” está a um passo de ver o sonho de conquistar mandato se transformar em pesadelo. Pelo jeito, não estão nem conseguindo dormir.