sexta, 20 de julho de 2018

CASO ELIZA

Bruno diz que deu 30 mil para Eliza resolver 'problemas'

11 NOV 2010Por Leslie Leitão/O Dia Online17h:00

Em depoimento no Fórum de Contagem, Minas Gerais, na tarde de hoje, o goleiro Bruno contou mais detalhes de seus momentos com Eliza no dia 8 de junho. Durante a audiência, o atleta revelou que deu R$ 30 mil para que a ex-amante "resolvesse um problema em São Paulo". Ainda segundo Bruno, a quantia foi dada em notas de R$ 50 e R$ 100.

"À tarde passei o dinheiro para ela. Eram R$ 30 mil em notas de R$ 50 e R$ 100. Mas ela pediu para ficar mais um dia no sítio. E perguntou: "Tem problema eu ficar mais um dia aqui no sítio?" Falei que não. Ela disse também que teria de ir a São Paulo para arcar com algumas despesas. Por isso pegou esse valor alto comigo, esses R$ 30 mil. Ela queria R$ 50 mil, mas chegamos a um acordo. Ela disse que estava se sentindo bem no sítio e me perguntou se eu ficaria com ele (Bruninho) 7 dias", contou Bruno.

"Perguntei se ela precisava de alguma coisa, se estava correndo risco de vida. Mas eu disse tudo bem e fiquei com a criança por sete dias. Ela falou eu volto. Então, por sete dias fiquei com a criança. Depois falei com a Dayanne que não teria condições de ficar com a criança. Expliquei para Dayanne, que ficou desconfiada disso tudo", explicou.

"Então, voltei a falar com a Eliza e perguntei o que estava acontecendo. Se ela precisava de ajuda, se era polícia. Eu disse que tinha amigos. Ela falou: "Não, é um caso que eu tenho que resolver"", revelou. A audiência começou às 10h desta quarta-feira.

O Dia noticia o caso com exclusividade

Eliza desapareceu no dia 4 de junho, quando teria saído do Rio de Janeiro para Minas Gerais a convite de Bruno. No ano passado, a estudante paranaense já havia procurado a polícia para dizer que estava grávida do goleiro e que ele a agrediu para que ela tomasse remédios abortivos. Após o nascimento da criança, Eliza acionou a Justiça para pedir o reconhecimento da paternidade de Bruno.

No dia 24 de junho, a polícia recebeu denúncias anônimas dizendo que Eliza havia sido espancada por Bruno e dois amigos dele até a morte no sítio de propriedade do jogador, localizado em Esmeraldas, na Grande Belo Horizonte. Na noite do dia 25 de junho, a polícia foi ao local e recebeu a informação de que o bebê apontado como filho do atleta, de 4 meses, estava lá. A atual mulher do goleiro, Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, negou a presença da criança na propriedade. No entanto, durante depoimento, um dos amigos de Bruno afirmou que havia entregado o menino na casa de uma adolescente no bairro Liberdade, em Ribeirão das Neves, onde foi encontrado.

Enquanto a polícia fazia buscas ao corpo de Eliza seguindo denúncias anônimas, em entrevista a uma rádio no dia 6 de julho, um motorista de ônibus disse que seu sobrinho participou do crime e contou em detalhes como Eliza foi assassinada. O menor citado pelo motorista foi apreendido na casa de Bruno no Rio. Ele é primo do goleiro e, em dois depoimentos, admitiu participação no crime.

Segundo a polícia, o jovem de 17 anos relatou que a ex-amante de Bruno foi levada do Rio para Minas, mantida em cativeiro e executada pelo ex-policial civil Marcos Aparecido dos Santos, conhecido como Bola ou Neném, que a estrangulou e esquartejou seu corpo. Ainda segundo o relato, o ex-policial jogou os restos mortais para seus cães.

Leia Também